PUBLICIDADE

Taxas futuras caem com IBC-Br estagnado e baixa dos rendimentos dos Treasuries

14 jun 2024 - 09h51
(atualizado às 10h09)
Compartilhar
Exibir comentários

Em uma semana de forte pressão para os ativos brasileiros, as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) oscilam em baixa nesta primeira hora de negócios, com a divulgação de dados de atividade piores que o esperado no Brasil e com a leve queda dos rendimentos dos Treasuries no exterior.

Às 9h42, a taxa do DI para janeiro de 2027 -- um dos mais líquidos -- estava em 11,56%, ante 11,604% do ajuste anterior.

Dados do Banco Central mostraram que a economia brasileira abriu o segundo trimestre com estagnação, depois de ter apresentado desempenho positivo no início do ano, frustrando fortemente as expectativas.

Em abril, o Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br), considerado um sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), teve variação positiva de 0,01% na comparação com o mês anterior, em dado dessazonalizado. O resultado marcou uma melhora em relação à queda de 0,36% do indicador em março, mas ficou bem aquém da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,45%.

No exterior, os yields exibiam leves baixas. Às 9h40 o rendimento do Treasury de dez anos --referência global para decisões de investimento-- caía 1 pontos-base, a 4,229%, enquanto a taxa do papel de 30 anos recuava 4 pontos-base, a 4,366%.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade