1 evento ao vivo

Senadores dos EUA pedem investigação sobre atuação da JBS no país

8 out 2019
19h47
atualizado às 19h58
  • separator
  • 0
  • comentários

Senadores dos Estados Unidos pediram nesta terça-feira a abertura de uma investigação em torno das aquisições feitas pela JBS no país, devido ao envolvimento da companhia brasileira com casos de corrupção no Brasil e na Venezuela.

REUTERS/Paulo Whitaker
REUTERS/Paulo Whitaker
Foto: Reuters

Em carta, os senadores Marco Rubio e Robert Menendez pedem que o Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS, na sigla em inglês) revise a compra de companhias do país pela JBS, incluindo Swift, Smithfied Foods, Pilgrim's Pride e o braço de suínos da Cargill no país, entre 2007 e 2015.

"Essas aquisições têm sérias implicações para a segurança, proteção e resiliência do nosso sistema de alimentação", afirmam os senadores na carta.

Os parlamentares alegam que durante os anos dessas compras, a JBS se viu envolvida numa ampla rede de atividades ilícitas, citando o caso em que a controladora J&F, em 2017, fez acordo para pagar 3,2 bilhões de dólares por envolvimento em escândalo de corrupção no Brasil.

"Tememos que a JBS tenha usado o financiamento ilegal que recebeu do BNDES, que somou mais de 1,3 bilhão de dólares, para comprar empresas americanas", acrescenta a carta.

Os senadores alertam ainda que a JBS se envolveu com parceiros suspeitos, incluindo a entidade venezuelana Corpovex, e que os irmãos Wesley e Joesley Batista, da família controladora da J&F, tiveram ligação pessoal com Diosdado Cabello, oficial do governo de Nicolás Maduro.

Por fim, os senadores ainda referem-se à crescente busca da JBS por recursos de entidades ligadas ao governo chinês para defender maior escrutínio da CFIUS sobre a empresa.

A Reuters procurou um representante da JBS, mas não teve uma resposta imediata.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade