1 evento ao vivo

Porta-voz do governo confirma apresentação da reforma

Mesmo questionado, Otávio do Rêgo Barros não falou sobre áudios entre Jair Bolsonaro e Gustavo Bebianno

19 fev 2019
19h49
atualizado às 20h40
  • separator
  • 0
  • comentários

BRASÍLIA - O porta-voz do governo de Jair Bolsonaro, Otávio do Rêgo Barros, confirmou que o presidente irá pessoalmente ao Congresso para entregar a reforma da Previdência, na manhã desta quarta-feira, 20, por volta das 9h30. Segundo Rêgo Barros, Bolsonaro estará acompanhado de ministros. No período da noite, Bolsonaro fará um pronunciamento sobre o assunto. O conteúdo é discutido nesta noite pela equipe econômica e por assessores do presidente. De acordo com o porta-voz, o presidente apresentará "aquilo que espera como melhor para o País".

A expectativa é de que os esclarecimentos sobre o texto sejam feitos pela equipe técnica do Ministério da Economia após a entrega da proposta. O secretário de Previdência, Rogerio Marinho, e o adjunto, Leonardo Rolim, junto ao ministro da Economia, Paulo Guedes, também devem se reunir com líderes e governadores.

O General Otávio Rêgo Barros, porta-voz da Presidência da República
O General Otávio Rêgo Barros, porta-voz da Presidência da República
Foto: Lucio Tavora / Agência O Tempo / Estadão

Mesmo após diversos questionamentos, o porta-voz não falou sobre o vazamento de áudios entre o presidente Bolsonaro e o ex-ministro Gustavo Bebianno. Ele disse que todos os esclarecimentos foram feitos na segunda-feira, antes dos vazamentos, por meio de nota de anúncio da exoneração de Bebianno e de um vídeo com agradecimentos ao ex-ministro e ex-coordenador de campanha de Bolsonaro.

Para evitar que a crise respingue na tramitação da reforma, Rêgo Barros destacou que é "momento de vitória do governo" porque a reforma da Previdência está pronta para ser apresentada. Também destacou pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro, que chegou nesta terça ao Legislativo.

Ignorando o vazamento de áudios, o porta-voz disse que Bolsonaro estava "feliz" porque revisou o texto e pediu "correção de detalhes" na matéria. "Hoje temos que olhar para frente. Esse é o intuito do presidente."

Apesar da derrota na Câmara, mais cedo ele disse que o governo está otimista sobre a reforma da Previdência e a "cooperação do Congresso" para a aprovação.

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade