0

Remoção de equipamentos da Huawei seria custosa para Reino Unido, afirmam Vodafone e BT

9 jul 2020
12h09
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A recuperação do Reino Unido da pandemia de Covid-19 pode ser prejudicada se o governo exigir uma rápida remoção de equipamentos de telecomunicações fabricados pela Huawei das redes móveis, alertaram a Vodafone e a BT nesta quinta-feira.

28/01/2020
REUTERS/Toby Melville
28/01/2020 REUTERS/Toby Melville
Foto: Reuters

A segunda maior operadora de telefonia do mundo, a Vodafone, disse que custaria "bilhões de dólares" para remover o equipamento da Huawei.

A BT estimou o custo de cumprir um requisito existente para reduzir o uso de equipamentos da Huawei em 500 milhões de libras.

"Estou preocupado que uma imposição ultra agressiva de uma mudança de política possa prejudicar nossa recuperação econômica no Reino Unido", disse Andrea Dona, chefe de tecnologia da Vodafone UK, a parlamentares britânicos.

A Vodafone e a BT precisam de um período mínimo de cinco anos, idealmente sete anos, para evitar grandes interrupções nas redes do Reino Unido, disseram seus chefes de tecnologia aos parlamentares.

Em janeiro, o Reino Unido limitou o papel da Huawei em suas redes 5G em 35% e a proibiu o envolvimento da empresas nas partes mais sensíveis do sistema.

Os Estados Unidos alegam que o governo chinês poderia usar os equipamentos da Huawei para espionagem, o que a Huawei nega.

O governo britânico disse que novas sanções dos EUA à tecnologia de chips podem prejudicar a capacidade da Huawei de fornecer equipamentos de rede cruciais.

Os chefes da Huawei no Reino Unido disseram aos legisladores que era muito cedo para quantificar o impacto das sanções a longo prazo e que nenhuma decisão precipitada deveria ser tomada.

Veja também:

Toque de recolher restringe circulação de pessoas das 23h às 5h
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade