0

Relator quer votar MP do preço mínimo do frete na próxima terça

26 jun 2018
13h44
atualizado às 15h51
  • separator
  • comentários

O relator da Medida Provisória 832, que trata do preço mínimo do frete rodoviário, deputado Osmar Terra (MDB-RS), quer votar na próxima terça-feira seu parecer na comissão mista que trata do assunto.

Greve nacional de caminhoneiros
23/05/2018
REUTERS/Ueslei Marcelino
Greve nacional de caminhoneiros 23/05/2018 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

"A gente quer aprovar antes do recesso parlamentar, na Câmara e no Senado", disse o deputado à Reuters, após participar de audiência pública com representantes dos caminhoneiros para tratar da tabela do frete.

O cenário ideal segundo ele, seria aprovar o texto na comissão na terça-feira da próxima semana e, na quarta-feira, no plenário da Câmara, para que na semana seguinte a MP passasse pelo plenário do Senado.

O tabelamento mínimo do frete foi uma das ações do governo para encerrar a paralisação nacional dos caminhoneiros em maio, que chegou a causar desabastecimento de combustível e de outros produtos em diversas regiões do país.

A tabela enfrenta fortes resistências do agronegócio e da indústria, cujas cargas são transportadas pelos caminhões. O Supremo Tribunal Federal (STF) vem tentando mediar um acordo para chegar a valores consensuais entre as partes.

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, que participou da audiência no Congresso Nacional, disse que os caminhoneiros precisam de um "piso mínimo para sobrevivência".

Questionado se os caminhoneiros poderiam fazer uma nova paralisação, tendo em vista as dificuldades nas negociações, Lopes disse não acreditar em uma mobilização neste momento.

"Não tem condições para isso e nós não vamos concordar com qualquer coisa dessa natureza. Não é o momento para essas coisas."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade