2 eventos ao vivo

Produtividade agrícola manterá o crescimento

Estudo estima que a produção brasileira de grãos deverá evoluir de 232,6 milhões de toneladas na safra em curso para 301,8 milhões de toneladas em 10 anos

10 ago 2018
04h11
  • separator
  • comentários

Os técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) preveem não só uma expansão rápida do agronegócio nos próximos 10 anos, com aumento da área plantada da ordem de 15% e crescimento da produção de grãos de cerca de 30%. Mas, em especial, projetam uma notável elevação da produtividade, o que permitirá, simultaneamente, que o setor atenda à demanda interna e seja fortalecida a posição do País entre os maiores fornecedores do mercado internacional.

O estudo Projeções do Agronegócio - 2017/18 a 2027/28, com base em dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Embrapa, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Food and Agricultural Policy Research Institute (Fapri ) e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, estima que a produção brasileira de grãos deverá evoluir de 232,6 milhões de toneladas na safra em curso para 301,8 milhões de toneladas em 10 anos.

A expansão prevista da área, da ordem de 10 milhões de hectares, deverá ocorrer na maioria das lavouras, incluindo algodão, banana, batata-inglesa, cacau, café, cana-de-açúcar, fumo, laranja, maçã, mamão, mandioca, manga, melão, milho, soja grão, trigo e uva.

Entre as cinco principais culturas de grãos, a alta será liderada pela soja e pelo milho, que permitirão produzir, respectivamente, 156 milhões e 113 milhões de toneladas. O trigo também deverá ver expandida sua área, mas haverá recuo nas áreas de plantio de arroz e de feijão, mas não da produtividade dessas lavouras.

A produção de carnes bovina, suína e de frango deve passar de 27 milhões para 34 milhões de toneladas, com alta de 27% ou 7 milhões de toneladas no período analisado.

O agronegócio é o maior diferencial da economia brasileira no mundo, ao assegurar oferta ampla de alimentos a preços módicos, exportações vultosas, emprego e renda crescentes no campo e expansão das fronteiras agrícolas. Não só o Centro-Oeste, mas Norte e Nordeste deverão ser beneficiados nos próximos 10 anos.

O agronegócio contribuirá, assim, para o desenvolvimento de áreas mais carentes. Sua contribuição será ainda maior se o País conseguir destravar os investimentos em infraestrutura, reduzindo custos de logística do setor.

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade