0

Preços do petróleo operam abaixo de US$70/barril com ampla oferta e receios sobre demanda

9 nov 2018
15h11
  • separator
  • comentários

Os contratos futuros do petróleo recuavam para mínimas em vários meses nesta sexta-feira, à medida que a oferta global aumentava e os investidores se preocupavam com o impacto sobre a demanda por combustíveis, dada a possibilidade de menor crescimento econômico diante das disputas comerciais.

Maquinário para extração de petróleo
22/08/2018 REUTERS/Nick Oxford
Maquinário para extração de petróleo 22/08/2018 REUTERS/Nick Oxford
Foto: Reuters

O petróleo Brent recuava 1,01 dólar, ou 1,43 por cento, a 69,64 dólares por barril, às 9:49 (horário de Brasília).

O petróleo dos Estados Unidos caía 0,99 dólar, ou 1,63 por cento, a 59,68 dólares por barril.

Os futuros do Brent caíam para abaixo de 70 dólares o barril pela primeira vez desde o início de abril, registrando uma queda de mais de 18 por cento desde que atingiram uma máxima em quatro anos no início de outubro.

Já os futuros do petróleo dos EUA recuavam para uma mínima de oito meses, passando a operar abaixo de 60 dólares o barril, caindo mais de 20 por cento desde o início de outubro.

"Não há desaceleração da tendência baixista", disse Stephen Brennock, analista da corretora londrina PVM Oil. "Em vez disso, o complexo de energia ampliou essa trajetória com o aumento do fornecimento global e pela suavização da perspectiva da demanda."

O petróleo atingiu máximas em outubro, com preocupações de que as sanções dos EUA contra o Irã, que entraram em vigor nesta semana, privariam o mercado de volumes substanciais de petróleo, drenando estoques e causando escassez em algumas regiões.

Mas outros grandes produtores, como a Arábia Saudita, a Rússia e as empresas de "shale" nos Estados Unidos, aumentaram a produção de forma constante, mais do que compensando a perda de barris iranianos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade