PUBLICIDADE

Powell, do Fed, diz que "métricas médicas" são os dados mais importantes para economia dos EUA agora

18 mai 2020
07h36 atualizado às 09h01
0comentários
07h36 atualizado às 09h01
Publicidade

Os dados mais importantes para a economia dos Estados Unidos no momento são as "métricas médicas" sobre a pandemia de coronavírus, disse o chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, no domingo à noite, destacando a provável necessidade de mais três a seis meses de ajuda financeira do governo para empresas e famílias.

Chairman do Federal Reserve, Jerome Powell
03/03/2020
REUTERS/Kevin Lamarque/
Chairman do Federal Reserve, Jerome Powell 03/03/2020 REUTERS/Kevin Lamarque/
Foto: Reuters

Em entrevista ao programa da CBS "60 Minutes", Powell repetidamente falou sobre as questões de saúde como determinantes para o sucesso da reabertura econômica dos EUA, pedindo aos norte-americanos que "ajudem uns aos outros durante isso" aderindo ao distanciamento social conforme Estados e governos locais começam a relaxas as restrições sobre atividades sociais e econômicas.

"Se formos ponderados e cuidadosos sobre como reabrimos a economia, para que as pessoas adotem essas medidas de distanciamento social e tentem fazxer o que pudermos para não termos outro surto..., então a recuperação poderá começar em breve", disse Powell.

Conforme o Congresso debate a possibilidade de mais alívio econômico, Powell foi além dos limites dos típicos comentários do banco central, pedindo diretamente mais gastos fiscais. Na entrevista de domingo, ele chegou a pedir às pessoas que lavem as mãos e usem máscaras para ajudar na recuperação.

Na melhor das circunstâncias, será um longo caminho a percorrer, disse Powell, com perdas adicionais de emprego provavelmente até junho, uma recuperação que levará tempo para ganhar força e algumas partes da economia como viagens e entretenimento possivelmente sob pressão até que haja uma vacina.

Powell disse que o desemprego pode atingir 25% antes de começar a cair, e Produto Interno Bruto pode contrair a uma taxa anualizada de talvez 20% entre abril e junho.

"Assumindo que não haja uma segunda onda do coronavírus, Acho que veremos a economia se recuperar durante o segundo semestre do ano", disse ele. "Para a economia se recuperar totalmente as pessoas terão que ter total confiança e isso pode ter que esperar a chegada da vacina".

Enquanto isso, disse ele, o Fed e o Congresso podem precisar fazer mais para garantir que as pessoas consigam pagar suas contas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade