PUBLICIDADE

Por que o Brasil fracassa

Criamos um Estado caro, ineficiente e incapaz de atender às necessidades da maioria da população

21 out 2019
0comentários
Publicidade

Na obra Why Nations Fail (Por que as Nações Fracassam), que já se tornou um clássico, os economistas Daron Acemoglu (MIT) e James A. Robinson (Universidade de Chicago), baseados em detalhadas pesquisas e análises históricas, mostram por que algumas nações prosperam, enquanto outras se mantêm na pobreza, com profundas desigualdades sociais. Para eles, a causa principal está na qualidade das instituições políticas. Países onde determinados grupos se apropriam do Estado tendem a praticar políticas voltadas aos interesses dessas elites, não em benefício do conjunto da sociedade. As oportunidades de ascensão econômica dos cidadãos são mínimas e se inibem a criatividade, as inovações, os investimentos e o crescimento econômico. É isso que os autores chamam de políticas excludentes, contrariamente às políticas inclusivas, praticadas nos países que alcançaram a prosperidade econômica.

No último dia 15, em evento promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, em parceria com o Broadcast, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou que o Estado brasileiro - incluindo o atual sistema tributário - tem funcionado, nos últimos 30 anos, para atender a interesses individuais, e não coletivos. "Construímos um Estado que foi capturado pelas corporações públicas e segmentos do setor privado, com muitos incentivos fiscais. O Estado que construímos custa muito e atende apenas uma parte da sociedade." Essas afirmações foram cirúrgicas e ressaltaram a espinha dorsal do baixo crescimento econômico brasileiro.

Há muita coerência entre o que disse Maia e as conclusões de Acemoglu e Robinson. O Estado brasileiro, mesmo antes da República, foi capturado por elites que detêm o poder econômico e por corporações, como a dos altos funcionários públicos. Até a 2.ª Guerra Mundial, predominou a aristocracia rural. Posteriormente, este espaço político passou a ser dominado por grandes empresas, com maior capacidade de pressionar as autoridades no Legislativo e no Executivo para atender a seus interesses. Os escândalos de corrupção da era petista foram só a ponta desse imenso iceberg.

Isso nos levou a criar um Estado caro, ineficiente e incapaz de atender às necessidades da maioria da população, ou até mesmo pouco interessado em assim proceder. Distribuímos incentivos fiscais a quem tem maior poder de pressão, sem qualquer análise dos seus custos e benefícios. Nosso sistema tributário é complexo, gerador de litígios, distorce a alocação eficiente de recursos, inibe os investimentos, além de ser extremamente regressivo.

Reformas como a administrativa e a tributária, por exemplo, são cruciais para corrigir essas distorções, mas encontram enormes resistências para progredirem porque contrariam os interesses das elites favorecidas. O enfrentamento de tais resistências só seria possível se os Poderes Legislativo e Executivo trabalhassem em conjunto e guiados por um programa de governo focado nesse objetivo.

Nada disso se vê no governo de Jair Bolsonaro. O presidente parece pouco consciente dessas questões e foca sua atenção na caça de comunistas, na pauta de costumes, nas tentativas frustradas de armar a população e no atendimento de seus interesses familiares.

Mesmo o Ministério da Economia, onde encontramos quadros técnicos de alta competência, tem mostrado pouca capacidade de gerar propostas concretas e de manter um diálogo produtivo com o Legislativo. Medidas mirabolantes são anunciadas de forma açodada, sem que tenham sido devidamente estudadas e elaboradas. O Legislativo, principalmente a Câmara dos Deputados, tenta assumir o protagonismo das reformas, mas, sem um forte envolvimento do Executivo, a tarefa torna-se extremamente difícil.

Enquanto o Brasil não realizar uma profunda reforma do Estado, capaz de construir um sistema político inclusivo, continuará fracassando.

*ECONOMISTA, DIRETOR-PRESIDENTE DA MCM CONSULTORES, FOI CONSULTOR DO BANCO MUNDIAL, SUBSECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL E CHEFE DA ASSESSORIA ECONÔMICA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA

Estadão
Publicidade
Publicidade