0

Petróleo opera em alta, recuperando-se após quedas recentes

14 set 2018
08h44
  • separator
  • comentários

O petróleo avança na manhã desta sexta-feira, após fortes perdas recentes impulsionadas pelo crescimento da produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Às 8h30 (de Brasília), o petróleo WTI para outubro subia 0,50%, a US$ 68,93 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro avançava 0,23%, a US$ 78,36 o barril, na ICE.

Os contratos tiveram seu pior dia em quase um mês, na quinta-feira, após a Agência Internacional de Energia (AIE) afirmar que a produção da Opep avançou no mês passado, superando com folga o recuo da oferta iraniana por causa das sanções dos EUA, o que levou a oferta global para o patamar recorde de 100 milhões de barris por dia. Ontem, o Brent caiu 1,95% e o WTI teve baixa de 2,52%.

Apesar da alta desta manhã, muitos analistas acreditam que o rali recente nos preços pode ter sido encerrado. Segundo o Commerzbank, a realização de lucros ocorre após o preço tocar brevemente US$ 80 o barril em meados da semana pela primeira vez desde maio.

Já o analista da corretora PVM Oil Associates, Stephen Brennock afirma que as sanções dos EUA contra o Irã devem se aprofundar em novembro, o que eleva os riscos para a oferta. Analistas estimam que mais de 1 milhão de barris por dia da produção iraniana, de cerca de 2,5 milhões de barris por dia, poderia ser ameaçado. O presidente americano, Donald Trump, retirou em maio os EUA do acordo internacional de 2015 para conter o programa nuclear iraniano, o que abriu caminho para novas sanções. Por outro lado, membros da Opep e a Rússia têm elevado a produção. "O cenário para o petróleo segue misto, com investidores tentando se preparar para fatores distintos", afirmou Carlo Alberto de Casa, analista-chefe da ActivTrades.

Há expectativa ainda pelo relatório semanal de poços e plataformas de petróleo em atividade nos EUA na última semana, divulgado às 14h de hoje pela Baker Hughes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade