0

Petróleo fecha em alta apoiado por avanços nas negociações EUA-China

22 fev 2019
18h55
  • separator
  • comentários

Os contratos futuros do petróleo fecharam em alta na sessão desta sexta-feira, 22, de olho em avanços nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China, após o encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He. O avanço vem após um breve recuo na quinta-feira, após o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA apontar aumento da produção de óleo cru na semana passada em relação à anterior.

Na Nymex, o petróleo WTI com vencimento em abril fechou em alta de 0,53%, para US$ 57,26 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para o mesmo mês avançou 0,07%, para US$ 67,12 por barril. Na comparação semanal, o WTI subiu 2,29% e o Brent, 1,31%.

"Parece que os bulls podem estar focados em sentimentos mais fortes no mercado de ações, cortes na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e na contagem de plataformas de petróleo", disse o estrategista sênior de investimentos do US Bank Wealth Management, Rob Haworth. "Observamos que os preços provavelmente estarão limitados no próximo trimestre. Isso reflete um histórico de crescimento econômico global mais brando, que provavelmente limitará o aumento de preços e os cortes na produção da Opep, que provavelmente fornecerão suporte aos preços".

Para o analista sênior de mercado da Oanda, Alfonso Esparza, o petróleo também foi apoiado na sexta-feira por indícios de que os EUA e a China podem estar próximos de um acordo que encerra uma disputa tarifária que teve um impacto negativo na demanda global de energia. "Embora possa não haver um grande anúncio, mesmo que o prazo de 1 de março esteja a uma semana, os EUA sinalizaram que a data não é um prazo rígido, deixando mais espaço para negociações", disse Esparza.

Ainda nesta sexta-feira, a Baker Hughes informou que o número de poços e plataformas de petróleo em operação nos EUA caiu de 857 na semana passada para 853 agora. Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade