0

Ouro fecha em leve queda, à espera de decisão do Fed e em dia de dólar forte

25 jan 2021
16h22
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Pela terceira sessão consecutiva, o contrato futuro de ouro encerrou esta segunda-feira, 25, em leve queda. Operadores relatam compasso de espera pela decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), a ser anunciada na próxima quarta-feira com possíveis impactos nos negócios do metal precioso, além de alguma pressão da força do dólar no exterior.

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para fevereiro terminou o dia em queda de 0,05%, a US$ 1855,2.

A expectativa pela decisão de política monetária do Fed induz cautela às negociações de ouro. Diante da iminência de mais estímulos fiscais nos Estados Unidos, mas com persistência da crise econômica, espera-se que o presidente do BC americano, Jerome Powell, ou mesmo o comunicado da decisão traga sinais sobre os próximos passos do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês). Alterações nos juros básicos, hoje na faixa entre 0% e 0,25% ao ano, porém, não são esperadas.

O ritmo das operações do Fed com compras de títulos tem efeito direto sobre o rendimento dos Treasuries, já que modula a relação entre oferta e demanda, e acaba afetando, indiretamente, o contrato de ouro. Isso porque investidores, a partir das oportunidades, podem deixar ou migrar para o metal precioso ou para os títulos públicos americanos a partir da avaliação de retornos financeiros, considerando que ambos são considerados portos seguros no mundo dos investimentos.

Pelo lado cambial, o dólar forte no exterior ao longo do dia - refletindo busca de segurança diante do salto de casos de covid-19 e retomada de restrições em todo o mundo para contê-la - foi outro fator de pressão sobre o ouro. A valorização da moeda americana torna commodities mais caras para detentores de outras divisas.

Veja também:

Mulher é presa com 11 quilos de maconha na rodoviária de Cascavel
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade