0

Ouro fecha em alta com incertezas em torno das negociações entre EUA e China

12 set 2019
17h32
  • separator
  • 0
  • comentários

O ouro encerrou o pregão desta quinta-feira em alta com as incertezas em torno das negociações comerciais entre Estados Unidos e China. Veículos de imprensa americanos apresentaram relatos conflitantes a respeito de um suposto acordo limitado entre as duas maiores economias do mundo.

O ouro para dezembro fechou em alta de 0,28%, a US$ 1.507,40 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Na manhã desta quinta-feira, a rede de televisão Bloomberg anunciou que autoridades do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, discutem a possibilidade de um acordo comercial limitado com a China. Os americanos ofereceriam a remoção de algumas tarifas às importações do país asiático, que, em troca, firmaria compromissos sobre direitos de propriedade intelectual e compras de produtos agrícolas. Contudo, logo depois, a rede de televisão CNBC divulgou que uma autoridade da Casa Branca havia negado os relatos noticiados pela Bloomberg.

O repórter Edward Lawrence, da Fox Business, completou o conjunto de informações díspares. De acordo com o jornalista, citando o conselheiro de Comércio da Casa Branca Michael Pillsbury como sua fonte, Trump não considera fazer nada além de um acordo "completo e forte" com a China.

Diante de tal cenário de incertezas, o ouro se fortaleceu, por ser considerado um ativo seguro.

Colaborou para a alta do metal precioso o foco no Banco Central Europeu (BCE). A instituição cortou os juros, mas seu presidente, Mario Draghi, concedeu coletiva de imprensa na qual afirmou que a política fiscal deve assumir o protagonismo no apoio às economias da zona do euro. A fala deu efeito contrário à depreciação da moeda, verificada logo em seguida do corte na taxa de depósito, e fortaleceu o euro ante o dólar, o que deu sustentação ao ouro. Tal relação já havia sido prevista pelo Commerzbank: "Se, por outro lado, o BCE vier a decepcionar, o euro deve subir - e o ouro também".

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade