0

Os sete erros de Mauricio Macri

Presidente argentino foi punido nas urnas por promessas não cumpridas, comunicação falha e reformismo tímido, segundo especialistas.

13 ago 2019
17h24
atualizado às 17h38
  • separator
  • 11
  • comentários

Quando assumiu a Presidência argentina, em dezembro de 2015, Mauricio Macri fez pelo menos três promessas que não conseguiu cumprir até este momento, faltando seis meses para o fim do mandato.

Há três anos e meio, ele prometeu pobreza zero, mas ela aumentou; disse que ia dominar a inflação, mas o índice disparou; e também jurou atrair investimentos externos, o que ocorreu em setores "específicos" e "não de maneira geral", segundo especialistas.

Macri responsabilizou seus adversários kirchneristas pela turbulência no mercado financeiro, após a derrota que sofreu nas urnas no domingo
Macri responsabilizou seus adversários kirchneristas pela turbulência no mercado financeiro, após a derrota que sofreu nas urnas no domingo
Foto: AFP/Getty / BBC News Brasil

Mas as promessas não atendidas não foram seus únicos erros, observam analistas políticos após a derrota expressiva de Macri nas eleições primárias de domingo. O pleito serve de termômetro para o primeiro turno da eleição presidencial, marcado para o dia 27 de outubro.

Candidato à reeleição pela coalizão Juntos por el Cambio (Juntos pela Mudança), Macri foi derrotado pela chapa opositora Frente de Todos, formada pelo ex-chefe de gabinete do kirchnerismo, Alberto Fernández, e pela ex-presidente Cristina Kirchner, candidata a vice.

Em entrevista na tarde da segunda-feira (12) a um grupo de jornalistas, Macri responsabilizou seus adversários kirchneristas pela turbulência no mercado financeiro que se seguiu ao resultados das urnas.

O presidente costuma atribuir problemas à herança que recebeu de sua antecessora, Cristina, que governou de 2007 a 2015.

"O kirchnerismo não tem credibilidade. Por isso, os mercados reagem assim", disse. Para o rival Alberto Fernández, porém, a volatilidade do dólar, que costuma ser transferida para a remarcação de preços e tem forte impacto na inflação, é responsabilidade de Macri.

No dia seguinte às primárias, o dólar saltou de 46 pesos para 60 pesos nas casas de câmbio, a Bolsa de Buenos Aires registrou queda histórica de 37,9% e as ações das empresas argentinas em Wall Street tiveram, em sua grande maioria, perdas de dois dígitos.

A BBC News Brasil ouviu analistas e relaciona os sete principais erros do presidente argentino.

1 - As promessas não cumpridas:

Um dos mantras de Macri, no início do seu mandato, foi a promessa de "pobreza zero". Em 2015, segundo dados do Observatório da Dívida Social da Universidade Católica Argentina (UCA), a pobreza atingia 28% da população.

Nos anos seguintes o índice subiu aos 30% em 2016, recuou para cerca de 25% em 2017 e atingiu 33% no ano seguinte. Ou seja, pelo menos 3 de cada 10 argentinos são considerados pobres.

O próximo dado oficial sobre a pobreza será divulgado em setembro, pouco antes do primeiro turno da eleição presidencial.

"Este ano a pobreza subiu mais porque a inflação continuou subindo, resultado da desvalorização de 2018 e os salários não acompanharam o ritmo dos preços. O emprego também passou a ser mais precário e escasso", explicou o especialista Eduardo Donza, do Observatório da Dívida Social.

Para ele, o quadro poderia piorar se a turbulência atual do dólar for transferida para a remarcação de preços.

Macri disse que a inflação cairia em seis meses, mas o índice não recuou
Macri disse que a inflação cairia em seis meses, mas o índice não recuou
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Outra promessa foi a de inflação de um dígito. Macri dizendo que a inflação cairia em seis meses, mas o índice não recuou. Ao contrário, subiu, apesar da difícil comparação com a gestão anterior, de Cristina Kirchner, já que os dados oficiais eram falsificados, segundo os próprios diretores do Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC).

Para analistas e opositores, Macri devolveu a credibilidade às estatísticas oficiais. A inflação de 2016 foi de cerca de 40%, a de 2017 ficou em torno dos 25% - acima dos 17% da meta estabelecida pelo Banco Central.

Pouco depois, o governo acabou desistindo do sistema de metas. A inflação de 2018 foi de 47%, segundo dados oficiais, e a previsão para 2019 era de 40%. Porém, a desvalorização do peso decorrente da derrota do governo nas primárias de domingo deve pressionar ainda mais os preços.

A ideia de atrair investimento estrangeiro também não decolou. Apesar da abertura da economia, o governo Macri não viu acontecer a esperada "invasão" de novos investidores.

Mas analistas econômicos e o próprio governo destacam investimentos setoriais pontuais, como o automotivo, além de "no complexo energético não convencional de Vaca Muerta, na Patagônia, nas energias renováveis, que tiveram incentivos para vir para a Argentina, mineração de lítio, no setor tecnológico e na entrada de chineses em frigoríficos que antes eram de brasileiros", elenca o economista Raúl Ochoa, professor da Universidade Tres de Febrero, em entrevista à BBC News Brasil.

2 - 'A nova política' isolada

Ao assumir, Macri disse que surgia ali uma "nova política" e exaltou o trabalho com uma equipe formada por assessores de quando foi prefeito de Buenos Aires e presidente do clube de futebol Boca Juniors, além de economistas, executivos e empresários.

Para o analista político Rosendo Fraga, do Centro de Estudos Nova Maioria, de Buenos Aires, Macri errou ao "não abrir seu leque de apoio incluindo outros setores da política argentina".

Político não peronista, Macri mudou sua estratégia na campanha antes da realização das primárias de domingo ao chamar o senador peronista Miguel Ángel Pichetto, um dos principais articuladores políticos do movimento político, para ser seu candidato a vice.

Mas seus opositores, como mostraram as urnas, conseguiram atrair muito mais apoio por parte do peronismo, que acabou se unindo em torno da candidatura de Fernández e de Cristina.

Macri também foi criticado por governar "obedecendo demais" os conselhos de marketing que teriam funcionado durante gestão como prefeito e sua campanha presidencial, mas que surtiram pouco efeito sobre a realidade econômica e social, como mostraram as eleições primárias.

Ainda assim, mesmo sem maioria no Congresso, Macri vinha conseguindo aprovar seus projetos com apoio de setores do peronismo - maior movimento político da Argentina, fundado há mais de 70 anos pelo ex-presidente Juan Domingo Perón (1895-1974) e que abriga diferentes linhas ideológicas, incluindo a chapa opositora de Fernández e Cristina.

3 - 'Tarifaço' mal comunicado

Pouco depois de assumir a Casa Rosada, em 2015, Macri descongelou as tarifas dos serviços como de transportes públicos, luz e gás. As duas últimas passaram a ser tão altas, principalmente comparadas aos padrões anteriores, que começaram a ser cobradas em duas parcelas.

Durante o kirchnerismo (2003-15), chegaram a ser tão baratas quanto um refrigerante. O sistema econômico daquela gestão defendia manter as tarifas artificialmente baixas a fim de conter a inflação, incentivar o consumo e manter um certo patamar de atividade econômica em funcionamento, ao segurar, por exemplo, o preço de combustíveis.

Presidente Macri admitiu que eleição foi 'ruim' para sua coalizão
Presidente Macri admitiu que eleição foi 'ruim' para sua coalizão
Foto: Reuters / BBC News Brasil

Mas, por outro lado, esse tipo de medida reduz lucros ou gera prejuízos às empresas que prestam esses serviços. Macri dizia que a prosperidade argentina era falsa, graças ao aumento da dívida pública.

E no fim, a conta do rombo causado pelo artificialismo dos preços administrados pode cair no colo do consumidor, como ocorreu no Brasil com a política energética do governo Dilma Rousseff.

Com o chamado "tarifaço" do governo Macri, pequenas e médias empresas atribuíram à pressão dos preços a queda na sua produção ou ao fechamento das empresas de diversos setores, contribuindo para o desemprego.

"Os aumentos eram necessários, não era possível manter os congelamentos de tarifas do governo anterior, mas o problema é que faltou explicar o impacto destas altas de preços. E para complicar, a alta do dólar afetou a produção, a atividade das empresas", afirmou o economista Raúl Ochoa, professor da Universidade Tres de Febrero.

Para ele, este quadro gerou um "voto castigo" de diferentes segmentos da economia argentina, incluindo setores da classe média que na eleição anterior haviam apoiado Macri.

Em meio à onda de indicadores negativos, o presidente argentino anunciou em abril medidas que iam contra a agenda liberal pregada por seu governo, entre eles o congelamento de preços de 60 itens de consumo.

4 - Câmbio

Para atrair investimentos, Macri buscou desmontar os controles (chamados "cepos") impostos pelo kirchnerismo, entre eles o do câmbio.

Este era alvo de críticas de empresas nacionais e estrangeiras, por impedir ou complicar o envio de recursos para pagamentos no exterior. O controle cambial incluiu ainda medidas polêmicas como batidas policiais nas casas de câmbio de Buenos Aires.

Muitas fecharam na época. No entanto, como observou a economista Marina dal Poggetto, da consultoria econômica Eco Go, "a falta de um plano organizado para sair do controle cambial acabou gerando a desvalorização do peso e inflação".

No dia seguinte às primárias, o dólar saltou de 46 pesos para 60 pesos nas casas de câmbio
No dia seguinte às primárias, o dólar saltou de 46 pesos para 60 pesos nas casas de câmbio
Foto: EPA / BBC News Brasil

No primeiro ano do governo Macri, em 2016, a inflação foi de 40%, a mais alta desde 2002. O índice foi alto também em 2017 e bateu recorde de mais de 20 anos em 2018, chegando a 47%.

Mas a política monetária, baseada em taxas de juros altas para evitar o aumento da inflação e o interesse pelo dólar, também tem sido criticada pelo mercado.

5 - 'Gradualismo e herança'

Macri também é criticado por especialistas por não ter "revelado detalhes à população", assim que assumiu, da herança econômica que recebeu do kirchnerismo.

Economistas mais ortodoxos criticaram ainda o fato de ele não ter realizado reformas econômicas mais amplas assim que chegou à cadeira presidencial.

O presidente optou pelo chamado "gradualismo", uma política de restabelecimento da confiança internacional por meio de um plano de corte de gastos públicos e eliminação de subsídios - em oposição aos choques macroeconômicos habituais no passado recente do país.

Mas as medidas graduais de correções da economia não surtiram o efeito esperado, levando o governo a recorrer ao ajuste fiscal exigido pelo acordo que assinou em 2018 com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Macri e a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde: crise cambial empurrou Argentina de volta aos braços do fundo
Macri e a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde: crise cambial empurrou Argentina de volta aos braços do fundo
Foto: Kevin Lamarque/Reuters / BBC News Brasil

Com apoio do governo de Donald Trump, observam analistas, Macri conseguiu o empréstimo bilionário com o FMI, que agora gera controvérsia entre seus opositores. Fernández disse que não pretende deixar de pagar a dívida, mas reclama dos prazos dos vencimentos da fatura de US$ 57 bilhões que recairão sobre o próximo governo.

Ontem, Macri atribuiu a volatidade dos mercados à herança kirchnerista. Economistas da equipe do candidato opositor observaram que o dólar valia 18 pesos no ano passado e chegou a 46 pesos antes das primárias.

6 - 'Falta de esforço' para gerar tranquilidade depois das primárias

Após a derrota de domingo, Macri responsabilizou o kirchnerismo pela turbulência no mercado financeiro. Na visão do presidente, o dólar disparou e a Bolsa de Buenos Aires afundou porque os investidores temem a volta do kirchnerismo e sua política de controle da economia.

Os críticos de Macri afirmam, no entanto, que o governo nada fez para contornar a situação e adotou a postura do silêncio. "O governo ainda não apresentou nenhuma medida para dizer qual será o rumo a partir de agora até dezembro. É preciso tomar alguma iniciativa", disse o político opositor Federico Storani à emissora de TV TN, de Buenos Aires.

Para o economista Gabriel Rubinstein, Macri deveria convocar o opositor Alberto Fernández para dialogar, num gesto para tranquilizar os mercados. "É preciso reduzir os efeitos da incerteza política logo para evitar que esta situação piore ainda mais. A crise já era séria com a taxa de juros em torno dos 60%, imagine agora que o Banco Central teve que elevá-la a mais de 74%? Devemos sair desse caminho de caos, o mais rápido possível."

Cristina concorre como vice na chapa de Alberto Fernandez, que saiu vencedora das primárias realizadas neste domingo na Argentina
Cristina concorre como vice na chapa de Alberto Fernandez, que saiu vencedora das primárias realizadas neste domingo na Argentina
Foto: AFP / BBC News Brasil

7 - 'Máfias'

O presidente fez campanha atacando o que chamou de "máfias" e "autoritarismo", num claro recado aos sindicatos que apoiam o kirchnerismo e ao estilo kirchnerista de governar, como observou a diretora do departamento de Ciências Políticas da Universidade de Buenos Aires, Elsa Llenderrozas.

Mas analistas políticos e econômicos ressalvaram que as mensagens de Macri, na campanha, passaram longe do problema central dos argentinos hoje: a crise socioeconômica.

"A economia está melhorando. Estamos registrando a recuperação econômica e a inflação está caindo. Estamos acabando de atravessar o rio para chegar do outro lado, num bom porto, no caminho que nos levará ao crescimento sustentável. Não é hora de retroceder, de voltar às políticas do passado, às políticas que já conhecemos e que não fizeram bem à Argentina", disse Macri, após a recente derrota nas urnas.

Veja também:

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 11
  • comentários
publicidade