PUBLICIDADE

O desafio é eleger o consumidor

A falta de flexibilidade no modelo atual não corresponde aos novos tempos

11 ago 2018 04h11
ver comentários
Publicidade

No governo Temer ocorreram avanços no setor de energia elétrica. Merecem destaque os leilões de transmissão; os de geração; a coragem de propor a venda das distribuidoras do Norte e Nordeste e a privatização da Eletrobrás; e iniciar o debate no Congresso sobre mudanças no modelo do setor. Aliás, é bom chamar a atenção que a recente privatização da Cepisa derrubou o mito ou a mentira de que a privatização leva sempre a aumento da tarifa. A venda da Cepisa assegurou uma redução de 8,5% das tarifas no Estado do Piauí.

Mas o caminho que nos levará a reduzir as tarifas, a melhorar a qualidade da energia, a ter segurança no abastecimento e riscarmos do mapa o fantasma de apagão passa por eleger o consumidor como alvo principal da política energética baseada nos 3 Ds: descarbonização, descentralização e digitalização.

A gestão do setor elétrico nos últimos anos tem se caracterizado por adotar uma política e um planejamento em que toda a conta é sempre paga pelo consumidor. Por isso, vemos na maior parte do tempo a adoção da bandeira vermelha, despacho de térmicas a óleo caras e poluentes e a constante ameaça de apagões, consequentemente, tarifas elevadas. Não dá para ter aumentos de dois dígitos nas tarifas com uma inflação de 3,5%. Só não vivemos períodos de racionamento porque o desempenho da economia brasileira tem sido muito ruim. Caso o Brasil volte a crescer algo como 1,5% teremos dificuldade na oferta de energia. 

Na implantação da agenda da modernidade será preciso efetuar mudanças na EPE, ONS e CCEE. Com uma maior presença de empresas privadas, é preciso que a EPE, ONS e CCEE tenham um menor grau de participação e ingerência do governo. Hoje as três são chapas-brancas e para que isso mude é necessário uma evolução da governança do setor elétrico. Não faz sentido empresas privadas terem uma participação faz de conta nessas três entidades.

A perda da capacidade de regularização dos reservatórios das hidrelétricas, dada a entrada das novas usinas a fio d'água, e a forte expansão das fontes renováveis intermitentes, como eólica, biomassa e solar, tornarão a operação do Sistema Interligado Nacional (SIN) cada vez mais complexa. O ONS terá um trabalho cada vez mais difícil em coordenar quais usinas irão despachar mantendo a segurança energética e a modicidade tarifária, para isso é essencial o crescimento de térmicas a gás natural, em particular no Nordeste. 

O modelo atual já não reflete as novas condições do sistema elétrico e as alterações feitas nos últimos anos tentaram apenas equacionar problemas de curto prazo, não mudando as formas de remuneração/tarifação do despacho. A falta de flexibilidade não corresponde aos novos tempos. O resultado disso é que nos últimos anos, para evitar problemas na oferta de energia, ocorreu com uma frequência cada vez maior o despacho de usinas termoelétricas a óleo antigas, caras e poluentes, que já poderiam ter sido substituídas por gás natural. Essa demora em colocar térmicas a gás natural, em particular, no Nordeste mantém a bandeira vermelha e deixa a região dependente da Sudeste, o que significa pouca segurança energética.

Atualmente, parte significativa da geração hídrica deve ser poupada por fontes substitutas, com destaque para o gás natural, de modo a garantir a manutenção dos reservatórios e servir como uma espécie de seguro das fontes renováveis intermitentes.

Novos sistemas de operação da rede, novos modelos de negócios, novas modalidades de financiamentos e novas tecnologias deverão estar presentes no desenho do novo modelo do setor elétrico. 

Desta forma, o melhor de cada fonte energética poderá ser explorado adequadamente, dentro do novo paradigma tecnológico que veio com a política dos 3 Ds. O desafio é eleger o consumidor como foco dessa da nova política energética a ser implantada no Brasil. É preciso um maior diálogo entre as empresas de todo segmento da indústria elétrica com o consumidor dividindo os riscos e os benefícios.

DIRETOR DO CENTRO BRASILEIRO DE INFRAESTRUTURA (CBIE)

Estadão
Publicidade
Publicidade