PUBLICIDADE

Mudança societária na Americanas pode reduzir poder do fundo 3G

20 out 2021 17h11
ver comentários
Publicidade

Uma mudança em estudo pela Lojas Americanas em sua estrutura societária está gerando especulações sobre o que pode acontecer com o famoso trio de controladores do grupo, Jorge Paulo Lemann, Carlos Alberto Sicupira e Marcel Telles, fundadores da Ambev e sócios do fundo 3G Capital.

O comunicado da empresa sobre o tema trouxe poucos detalhes, mas sinaliza a eliminação da holding criada em abril para garantir o controle do 3G na empresa. A dúvida é se os empresários vão encontrar alguma forma de seguir controlando a varejista, que agora está perto de listar ações nos Estados Unidos e no Novo Mercado, segmento de maiores exigências corporativas da B3, a Bolsa brasileira, e vem fazendo um movimento de crescimento via aquisições.

Os analistas do Citi calculam que, com a possibilidade de unificação das ações, o trio de controladores reduziria sua participação atual, de 39%, e passaria a deter 29%, segundo estudos preliminares. Procurado, o 3G Capital não respondeu ao contato da reportagem do Estadão/Broadcast.

Já o Goldman Sachs observa que a reorganização é "estrategicamente positiva", pois deve elevar o poder de voto dos minoritários, que hoje já detêm a maior parcela da companhia, mas ainda têm pouca voz. Por causa dessa distorção, a ação da holding da varejista (LAME 3 e 4) estaria sendo negociada com um desconto de 24% a 29% em relação ao papel do negócio operacional (AMER3). Com a mudança, os três papéis seriam unidos em um.

"(O comunicado) abre a possibilidade de os atuais controladores deixarem de ser controladores, e a empresa passar a ser uma espécie de 'corporation'. A empresa ganharia uma condição muito favorável para dançar conforme a música do mercado", diz Eugênio Foganholo, sócio da consultoria de varejo Mixxer.

A possibilidade de junção dos três papéis da Americanas é positiva também sob o aspecto da governança, de acordo com analistas. "Com a junção, essas três classes seriam concentradas no Novo Mercado, com ações ordinárias e 100% de 'tag along' (mecanismo que visa a proteger investidores menores)", diz Danniela Eiger, colíder de análise da XP.

Segundo a analista, a questão da governança era um ponto que os investidores sempre questionaram na companhia. "Nesse cenário (de unificação dos papéis), eles eliminariam a estrutura de holding. Hoje, a Lame tem participação de 39% na Americanas", diz Eiger.

Foganholo acrescenta que a união deve facilitar o entendimento dos acionistas e gerar, por isso, melhor percepção de valor nos investidores. Um gestor de fundo, sob anonimato, afirmou que a mudança vem com certo atraso: ela era esperada na época da reorganização societária, em abril.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadão
Publicidade
Publicidade