4 eventos ao vivo

Marinho garante que projeto da Previdência dos militares estará no Congresso no dia 20

15 mar 2019
09h26
atualizado às 10h26
  • separator
  • comentários

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, reiterou nesta sexta-feira que a proposta de reforma previdenciária dos militares será entregue ao Congresso em 20 de março, conforme a promessa original do governo.

Soldados na Esplanada dos Ministérios, em Brasília
31/12/2019
REUTERS/Ueslei Marcelino
Soldados na Esplanada dos Ministérios, em Brasília 31/12/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Segundo Marinho, que participou de evento da FGV no Rio de Janeiro, a proposta de reforma da Previdência das Forças Armadas, que ainda não foi finalizada, deve incluir um aumento no tempo de serviço e da contribuição dos militares.

Sobre eventuais concessões para militares na reforma, Marinho afirmou: "Se houver entidade que tenha algum benefício especial será preciso mostrar quanto isso vai custar e que isso vai significar menos investimentos em casas populares e na saúde".

O secretário destacou ainda que a Previdência para a Polícia Militar e os Bombeiros terá as mesas regras dos militares, o que dará alívio aos Estados.

O governo federal ainda apresentará no dia 20 um projeto de lei contra devedores contumazes da Previdência, de acordo com Marinho.

"O ajuste fiscal com a Previdência será a última janela sem avançar sobre direitos adquiridos", disse.

A proposta geral de reforma da Previdência do governo do presidente Jair Bolsonaro já foi enviada ao Congresso, mas líderes parlamentares têm dito que o texto só vai avançar na Casa após o envio pelo governo de proposta com alterações na aposentadoria dos militares.

"Nunca vi um clima e um ambiente tão bons no Congresso para votação de projetos, e esse é o momento para aprovar a nova Previdência", disse Marinho.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade