13 eventos ao vivo

Maia quer criar capitalização mesmo que regime fique de fora da reforma

O presidente da Câmara reconhece que não há votos suficientes para manter o regime de capitalização na proposta apresentada pelo governo

12 jun 2019
17h25
  • separator
  • 0
  • comentários

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira, 12, que irá buscar junto ao ministro da Economia, Paulo Guedes, uma solução para a criação do regime de capitalização na Previdência. Ele admitiu que hoje não há votos suficientes na Casa para manter a questão na reforma apresentada pelo governo.

De acordo com Maia, uma emenda com a proposta do economista e deputado Mauro Benevides (PDT-CE) poderia ser apresentada, já que ela teria mais apoio dentre os deputados. Aliado do candidato à Presidência derrotado Ciro Gomes (PDT), Benevides propõe que o regime de capitalização tenha uma camada do regime de repartição e só passe a prever a poupança individual a partir de determinado valor.

"A princípio não há votos para aprovar a capitalização. O texto do Mauro Benevides, que é muito próximo da proposta do ministro, teria mais chances de aprovação, mas a gente precisa avaliar com líderes se é melhor votar a emenda do Mauro Benevides ou se construímos outra solução junto com Paulo Guedes", disse.

Maia se reunirá nesta tarde com o ministro para debater a questão. Ele afirmou ainda que Guedes não pode ser visto como derrotado nesta questão. "(Ele) tem sido um aliado, tem dialogado com Parlamento. De forma nenhuma queremos deixar uma sinalização de que teve alguma derrota do ministro, pelo contrário, o ministro tem sido um dos poucos membros desse governo que tem dialogado com o Parlamento", disse.

Maia também afirmou que a questão do abono salarial sofrerá mudanças, mas não detalhou quais. Ele também minimizou o impacto que o feriado da semana que vem e as festividades de São João podem ter no calendário da reforma. Na sua previsão, a comissão especial deve votar a proposta em 25 de junho e o plenário da Casa deve analisá-la na primeira semana de julho.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade