3 eventos ao vivo

Maia conversa com Campos Neto e recua nas críticas: "Confio"

Presidente da Câmara diz que comandante do BC afirmou que conversas foram divulgadas por terceiros

29 out 2020
10h18
atualizado às 14h32
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Pouco depois de questionar a seriedade do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no Twitter, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou à mesma rede social nesta quinta-feira para afirmar que recebeu um novo telefonema do presidente da autoridade monetária no qual ele negou ter vazado uma conversa entre ambos e, dessa vez, disse confiar em Campos Neto.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante evento com investidores em São Paulo
08/08/2019 REUTERS/Amanda Perobelli
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante evento com investidores em São Paulo 08/08/2019 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

"Recebi há pouco ligação do presidente do BC afirmando que ele não divulgou à imprensa a nossa conversa. Diante da palavra do presidente, o vazamento certamente foi provocado por terceiros. Deixo aqui registradas a ligação e a confiança que tenho nele", escreveu Maia na rede social.

Mais cedo, entretanto, Maia usou o Twitter para criticar Campos Neto, afirmando que ele vazou uma conversa particular que tiveram na quarta-feira e que esta atitude "não está à altura de um presidente de Banco de um país sério".

Na publicação na rede social, Maia não deu mais detalhes sobre qual o teor da conversa que teria sido vazada pelo chefe da autoridade monetária.

Veículos de imprensa disseram que Campos Neto entrou em contato com Maia na quarta para pedir uma trégua na turbulência política em favor das reformas que ajudem na solução da questão fiscal do país e teria ouvido como resposta que é a base parlamentar de apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro quem está obstruindo as votações na Câmara.

Aliados do governo vêm obstruindo as votações na Câmara para, entre outros pontos, impedir a análise da MP 1.000, que prorroga o pagamento do auxílio até o fim do ano, mas no valor de 300 reais. Tentam, com isso, evitar o constrangimento e a pressão, em período eleitoral, para elevar o valor a 600 reais. Já a oposição vem se recusando a votar as demais propostas enquanto essa MP não for pautada.

Além disso, pesa também sobre os trabalhos na Casa a disputa pelo comando da Comissão Mista de Orçamento (CMO). Maia tem cobrado o cumprimento de um acordo selado no início do ano entre vários partidos que previa a eleição de Elmar Nascimento (DEM-BA) para a presidência do colegiado.

O cenário parlamentar, no entanto, mudou em relação ao que vigorava à época do fechamento do acordo. Partidos do chamado centrão aproximaram-se do governo Bolsonaro e o bloco na Câmara que definiu a presidência da CMO se desfez.

O episódio desta quinta acontece em um momento em que tramitam no Congresso pautas legislativas de interesse do Banco Central e da equipe econômica do governo, entre elas a proposta que dá autonomia à autoridade monetária e reformas que buscam aliviar a questão fiscal do país.

Os tuítes de Maia sobre Campos Neto também vêm um dia depois de perdas para os ativos brasileiros no mercado financeiro, com o Ibovespa despencando e o dólar disparando ante ao real na quarta-feira.

Veja também:

Homem resiste à prisão e ameaça policiais
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade