0

Inflação ao produtor na China desacelera de novo em outubro por demanda doméstica fraca

9 nov 2018
15h11
  • separator
  • comentários

Os preços ao produtor na China desaceleraram pelo quarto mês seguido em outubro devido ao enfraquecimento da demanda doméstica e da atividade industrial, sinalizando que Pequim provavelmente adotará mais medidas de incentivo ao crescimento diante dos atritos comerciais com os Estados Unidos.

Funcionários trabalham em fábrica em Dongguan, na China 29/08/2018 REUTERS/Stringer
Funcionários trabalham em fábrica em Dongguan, na China 29/08/2018 REUTERS/Stringer
Foto: Reuters

Os preços ao consumidor, por sua vez, subiram em outubro no mesmo ritmo do mês anterior com os preços dos alimentos estáveis, divulgou nesta sexta-feira a Agência Nacional de Estatísticas.

O índice de preços aos produtor, medida dos preços que as empresas recebem por seus produtos e serviços, subiu 3,3 por cento em outubro em relação ao ano anterior, sobre 3,6 por cento em setembro.

Analistas consultados pela Reuters projetavam que a inflação ao produtor em outubro, também usada por economistas como medida das tendências de lucro industrial, desaceleraria a 3,3 por cento. Na comparação mensal, o índice avançou 0,4 por cento.

"O aumento dos preços de importação deve colocar pressão de alta sobre os preços ao produtor, mas não o suficiente para impedir que a inflação ao produtor caia", disse o economista da Capital Economics Chang Liu.

"De fato, acreditamos que as autoridades prestarão mais atenção à evidência de que as pressões de preços permanecerão fracas e continuarão a afrouxar a política monetária nos próximos anos para sustentar a atividade econômica."

Já o índice de preços ao consumidor registrou avanço de 2,5 por cento em outubro sobre o ano anterior, repetindo a taxa de setembro e igualando a expectativa dos analistas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade