PUBLICIDADE

Índices caem após notícias de propostas tributárias de Biden

22 abr 2021
17h23 atualizado às 18h26
0comentários
17h23 atualizado às 18h26
Publicidade

Os mercados de ações dos Estados Unidos tiveram firme baixa nesta quinta-feira, em meio a notícias de que o presidente norte-americano, Joe Biden, planeja quase dobrar o imposto sobre ganhos de capital, o que, segundo analistas, forneceu argumento para realização de lucros em um mercado sem direção e que aguarda a divulgação na próxima semana de balanços de grandes empresas de tecnologia.

Bolsa de Nova York
 REUTERS/Mike Segar
Bolsa de Nova York REUTERS/Mike Segar
Foto: Reuters

Os três principais índices de Wall Street também caíram com relatos de que Biden planeja aumentar o imposto de renda de ricos, proposta que alguns disseram que seria difícil de ser aprovada no Congresso.

O índice Dow Jones caiu 0,94%, a 33.816 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 0,921067%, a 4.135 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuou 0,94%, a 13.818 pontos.

"Se tivesse a chance de passar, cairíamos 2.000 pontos", disse Thomas Hayes, presidente e um dos diretores de gestão do hedge fund Great Hill Capital LLC.

Paul Nolte, gestor de portfólio da Kingsview Investment Management, em Chicago, disse que quando surge uma proposta sobre aumento de impostos ou ganhos de capital todo mundo fica em polvorosa, vende primeiro e faz perguntas depois.

"É mais uma reação instintiva de curto prazo", disse ele.

Os mercados têm estado mornos depois que os índices Dow Jones e S&P 500 atingiram picos históricos recentemente e conforme investidores aguardam orientação das gigantes de tecnologia Microsoft Corp, Alphabet Inc e Facebook Inc --que relatam seus resultados trimestrais na próxima semana.

Todos os 11 setores do S&P 500 fecharam em baixa, com Microsoft, Apple Inc, Amazon.com Inc e Tesla Inc exercendo as maiores pressões negativas no índice.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade