3 eventos ao vivo

Índices acionários da China avançam em maio a cautela com possibilidade de tarifas dos EUA

7 set 2018
09h40
  • separator
  • 0
  • comentários

Os mercados acionários da China terminaram em alta nesta sexta-feira, mas o índice de Xangai e as ações de blue-chips fecharam a semana em baixa em meio ao fim do prazo de consulta pública sobre novas tarifas comerciais dos Estados Unidos.

O índice de Xangai fechou com alta de 0,4 por cento, mas terminou a semana com perdas de 0,8 por cento.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,45 por cento no dia, mas na semana perdeu 1,7 por cento.

O subíndice do setor financeiro teve alta de 0,8 por cento, enquanto o do setor imobiliário ganhou 0,94 por cento.

O governo norte-americano está pronto para avançar com uma nova rodada de tarifas sobre 200 bilhões de dólares em importações chinesas após o fim do período de consultas públicas ter terminado à meia-noite de Washington na quinta-feira, mas a entrada em vigor é incerto, disseram à Reuters pessoas familiarizadas com o plano.

A China alertou para retaliação se os EUA adotarem novas tarifas, disse na quinta-feira um porta-voz do Ministério do Comércio.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,80 por cento, a 22.307 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,01 por cento, a 26.973 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,40 por cento, a 2.702 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,45 por cento, a 3.277 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,26 por cento, a 2.281 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,71 por cento, a 10.846 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,42 por cento, a 3.134 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,27 por cento, a 6.143 pontos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade