4 eventos ao vivo

Huawei planeja demitir centenas nos EUA, diz jornal

Segundo o 'WSJ', cortes devem afetar os funcionários da Futurewei, subsidiária de pesquisa e desenvovimento da fabricante chinesa nos EUA

14 jul 2019
22h12
atualizado em 15/7/2019 às 08h04
  • separator
  • 0
  • comentários

A Huawei Technologies está planejando demissões significativas nos Estados Unidos à medida que a empresa chinesa de equipamentos de telecomunicações lida com as sanções americanas, informou o Wall Street Journal, citando fontes familiarizadas com o assunto.

REUTERS/Aly Song
REUTERS/Aly Song
Foto: Reuters

As demissões devem afetar os empregos da subsidiária de pesquisa e desenvolvimento da Huawei, a Futurewei Technologies, informou o jornal. A companhia emprega centenas de pessoas em escritórios no Vale do Silício e nas áreas de Seattle, Chicago e Dallas, de acordo com as páginas do LinkedIn de seus funcionários. A Futurewei registrou mais de 2,1 mil patentes em áreas como telecomunicações, redes 5G e tecnologias de vídeo e câmeras, de acordo com dados do Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos.

As demissões podem ser na casa das centenas, uma fonte disse ao jornal. Os funcionários chineses da Huawei nos Estados Unidos estavam recebendo a opção de voltar para casa e permanecer na empresa, acrescentou outra fonte.

Degola

Alguns funcionários já foram notificados de sua demissão, enquanto mais cortes podem ser anunciados em breve, disse o jornal. A Huawei não quis comentar.

O Departamento de Comércio americano colocou a maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações e segunda maior fabricante de smartphones em uma lista negra de exportação, citando questões de segurança nacional, barrando a venda de fornecedores americanos sem aprovação especial do governo.

Depois disso, segundo fontes do jornal americano, os funcionários da Futurewei enfrentam restrições para se comunicar com seus colegas nos escritórios da Huawei na China. A Huawei sempre negou que seus produtos representem ameaça à segurança./REUTERS

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade