0

Guedes se reúne com Bolsonaro no Planalto

O encontro acontece depois de Bolsonaro ter admitido, na última sexta-feira (12), que interferiu no reajuste de preços de diesel

15 abr 2019
17h26
  • separator
  • comentários

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já está em reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, de acordo com a assessoria da presidência. O encontro, marcado para às 16h desta segunda-feira (15), acontece depois de Bolsonaro ter admitido, na última sexta-feira (12), que interferiu no reajuste de preços de diesel, ao telefonar para o presidente da Petrobrás e pedir para cancelar o reajuste de 5,7% do óleo diesel. Depois do episódio, a Petrobrás perdeu R$ 32 bilhões em valor de mercado.

Antes, a Casa Civil recebeu ministros e os presidentes da Petrobrás, Roberto Castello Branco, e do BNDES, Joaquim Levy, para uma reunião interministerial sobre a política de combustíveis. Ainda não há informações sobre se o encontro já foi encerrado. A agenda do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também previa a presença de Guedes, dos ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, de Mina e Energia, Bento Albuquerque, e do ministro chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Floriano Peixoto. Na cronograma da Casa Civil, a pauta colocada é "Caminhoneiros: ações, piso mínimo do frete, diesel e fiscalização".

'Consertar'. No sábado, cumprindo agenda em Washington (EUA), Guedes afirmou que é possível "consertar" caso Bolsonaro faça alguma coisa "que não seja razoável" na economia. "Uma conversa conserta tudo", disse o ministro. Um dia antes, Guedes sugeriu que não havia sido informado pelo presidente sobre a decisão. Quando o novo valor começaria a ser cobrado, na sexta-feira, Bolsonaro comentou que havia se surpreendido com o reajuste de 5,7%, e por isso ligou para o presidente da estatal, Roberto Castello Branco. O presidente ainda negou ser intervencionista. "Não vou praticar a política que fizemos no passado, mas quero os números da Petrobrás", disse.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade