0

Gasolina e aluguéis devem ter impulsionado inflação dos EUA em janeiro; taxa anual deve desacelerar

14 fev 2018
07h55
  • separator
  • comentários

Os preços ao consumidor nos Estados Unidos provavelmente subiram com força em janeiro devido à alta da gasolina e dos aluguéis, mas a inflação anual deve ter desacelerado uma vez que o forte avanço do ano passado sai do cálculo.

Apesar da esperada moderação na inflação anual, o relatório desta quarta-feira do Departamento do Trabalho não deverá mudar as expectativas de aumento nas pressões de preços este ano.

O aumento no crescimento anual dos salários em janeiro ampliou as preocupações com a inflação, provocando uma onda de vendas em Wall Street e impulsionando os rendimentos dos Treasuries dos Estados Unidos para máximas de quatro anos.

Existem temores de que a inflação, provocada pelo aperto no mercado de trabalho e aumento dos gastos do governo, possa forçar o Federal Reserve a ser um pouco mais agressivo ao elevar os juros este ano do que o esperado atualmente.

O banco central norte-americano prevê três altas da taxa de juros este ano, com a primeira esperada para março.

"Os ingredientes estão aí para uma inflação mais forte este ano, mas a aceleração será bastante gradual", disse o economista sênior da Moody's Analytics Ryan Sweet. "Uma aceleração significativa na inflação é algo para se preocupar em 2019."

O índice de preços ao consumidor provavelmente subiu 0,3 por cento em janeiro após avançar 0,2 por cento em dezembro, de acordo com pesquisa da Reuters junto a economias. Na base anual, a expectativa é de alta de 1,9 por cento ante 2,1 por cento em dezembro, devido a efeitos base menos favoráveis.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, a expectativa é de que o núcleo do índice tenha avançado 0,2 por cento após taxa similar em dezembro. A alta anual é projetada em 1,7 por cento de 1,8 por cento em dezembro. O núcleo da inflação é considerado uma medida melhor da tendência de alta dos preços.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade