0

Gás deve ultrapassar carvão como segunda maior fonte de energia em 2030, diz IEA

13 nov 2018
15h55
  • separator
  • comentários

O gás natural deve ultrapassar o carvão como segunda maior fonte de energia do mundo depois do petróleo em 2030, devido à busca pela redução na poluição do ar e a um aumento no uso de Gás Natural Liquefeito (GNL), disse a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) nesta terça-feira.

A IEA, com sede em Paris, disse em seu relatório anual de projeções de 2018 que a demanda por energia deve crescer em mais de um quarto entre 2017 e 2040, se considerado um uso mais eficiente de energia, ou um aumento de duas vezes se não houver esse movimento.

A demanda global por gás deverá crescer em 1,6 por cento ao ano até 2040, quando seria 45 superior à vista hoje, segundo a agência.

As estimativas são baseadas em um cenário da IEA que prevê o estabelecimento de leis e políticas para reduzir emissões e combater a mudança climática. O cenário também assume maior eficiência energética no uso de combustíveis, em edificações e outros fatores.

"O gás natural é o combustível fóssil com crescimento mais rápido nesse cenário que prevê novas políticas, ultrapassando o carvão em 2030 para se tornar a segunda maior fonte de energia depois do petróleo", afirma o relatório.

A China, que já é o maior importador de petróleo e carvão do mundo, deverá em breve se tornar também o maior importador de gás, com as importações líquidas chegando ao nível da União Europeia em 2040, disse a IEA.

Economias emergentes na Ásia deverão responder por cerca de metade do crescimento global na demanda por gás, e a fatia desses países nas importações de GNL deve dobrar para 60 por cento em 2040, ainda segundo o relatório.

Em termos de produção, os Estados Unidos poderão responder por 40 por cento do crescimento esperado na oferta de gás até 2025, de acordo com a IEA.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade