PUBLICIDADE

Foxconn eleva perspectiva para 2022 diante de demanda aquecida

4 jul 2022 - 11h03
(atualizado às 12h21)
Ver comentários
Publicidade

A Foxconn, maior fabricante terceirizada de eletrônicos do mundo, elevou nesta segunda-feira a perspectiva para seus negócios em 2022, graças às fortes vendas registradas, de smartphones a servidores, mesmo com preocupações de desaceleração da demanda devido ao aumento da inflação.

As vendas da empresa em junho saltaram 31% em relação a igual período do ano anterior, atingindo patamar recorde para o mês, dado o gerenciamento adequado da cadeia de fornecedores e a elevação das vendas de eletrônicos de consumo, incluindo smartphones, que compõem a maior parte da receita da Foxconn.

As ações de empresas chips caíram na sexta-feira em todo o mundo, depois que a fabricante de chips de memória Micron projetou na quinta-feira receita significativamente abaixo do esperado para seu atual trimestre fiscal (de junho a agosto) e disse que o mercado "enfraqueceu consideravelmente em um período muito curto de tempo."

A Foxconn disse em comunicado que está otimista sobre seus negócios no terceiro trimestre, dizendo que pode ver "crescimento significativo" em comparação com o ano anterior.

Para 2022, a Foxconn afirmou que as perspectivas melhoraram, superando suas expectativas inicias de estabilidade. A companhia não forneceu mais detalhes.

As ações da empresa fecharam em queda de 1% nesta segunda-feira, em linha com o mercado acionário local de Taiwan. O papel acumula queda de 3,9% neste ano.

A empresa disse ter visto até agora em 2022 um crescimento anual de dois dígitos nas vendas de servidores e produtos de telecomunicações.

A companhia ainda afirmou que as restrições impostas na China por causa da Covid-19 tiveram um impacto limitado em sua produção, uma vez que a Foxconn mantinha os trabalhadores em um sistema de "circuito fechado".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade