0

Fornecedoras da Apple pressionam e índices acionários europeus fecham estáveis

13 set 2017
13h52
  • separator
  • comentários

Os principais índices de ações europeus fecharam estáveis nesta quarta-feira conforme a alta das ações nos mercados globais mostrou sinais de enfraquecimento, com os fornecedores da Apple caindo após o lançamento da nova versão do iPhone decepcionar com uma data de entrega posterior à prevista.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,02 por cento, a 1.500 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,02 por cento, a 381 pontos, devolvendo as perdas de mais cedo graças aos ganhos nas ações de petróleo e de bancos, que compensaram as quedas das fabricantes de chips e de mineradoras.

Os fabricantes de chips que fornecem para Apple ficaram entre as ações com pior desempenho, com recuo dos papéis da AMS e Dialog Semiconductor.

Operadores disseram que as ações estavam sob pressão devido à data de entrega do iPhone X da Apple mais tarde do que o esperado, em 3 de novembro. O preço de 999 dólares também pode diminuir a demanda pelo dispositivo em mercados como a China.

"Com o preço do iPhone em torno de mil dólares será interessante ver como será a demanda", disse o estrategista de mercado global do JP Morgan Asset Management Mike Bell.

"Se for relativamente saudável, acho que isso mostra que ainda existe um grande poder de preço para as empresas dos Estados Unidos e que os consumidores têm confiança".

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,28 por cento, a 7.379 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,23 por cento, a 12.553 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,17 por cento, a 5.217 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib ficou estável a 22.233 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,44 por cento, a 10.381 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,60 por cento, a 5.168 pontos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade