1 evento ao vivo

FCStone prevê alta de 10,8% na oferta de etanol do Norte-Nordeste em 2018/19

6 ago 2018
13h32
  • separator
  • comentários

Ribeirão Preto, 6 - A oferta de cana-de-açúcar para a moagem na safra 2018/19 no Norte-Nordeste do Brasil será de 46,5 milhões de toneladas, alta de 2,8% em relação à safra 2017/18, informou nesta segunda-feira, 6, a INTL FCStone. A alta ocorre com o aumento no plantio da cultura nos principais Estados produtores do Nordeste, mas é limitada pelas chuvas abaixo da média no mês de maio, informou a consultoria.

"Este volume, mesmo que seja maior que as duas últimas safras, ainda está significativamente abaixo do que a região processou de cana entre 2005 e 2014, período no qual moagem variou entre 55 e 70 milhões de toneladas", relatou o analista de mercado da INTL FCStone, João Paulo Botelho.

Os volumes acumulados nos meses anteriores a maio evitarão a quebra na safra 2018/19 da região. "Com precipitação acumulada no ano 22,7% abaixo da média dos últimos 10 anos e redução de mais de 55% nos últimos 3 meses, é possível que a queda na umidade dos solos se acelere a partir de agora, aumentando o estresse hídrico das lavouras, a depender das chuvas e temperaturas que serão registradas nas próximas semanas", informou Botelho.

A INTL FCStone estima que o Açúcar Total Recuperável (ATR) médio apresente alta de 1,6% na comparação com a safra passada, para 129,3 quilos por toneladas (kg/t).

Com um mix de destino da cana em 43,5% para o açúcar e de 56,5% para o etanol - 3,1 pontos percentuais acima da safra passada ao combustível e o maior da série histórica - a produção do etanol no Norte-Nordeste deve avançar 10,8% em 2018/19, para 1,98 bilhão de litros. Já a oferta do adoçante é estimada em 2,5 milhões de toneladas de açúcar na região, 2,6% abaixo da safra 2017/18 a menor desde 1999/2000.

De acordo a INTL FCStone, a produção de etanol deve ficar dividida em 931 milhões de litros de anidro, queda de 1,8% na comparação com 2017/18, e 1,05 bilhão de litros de hidratado, aumento de 24,9% entre os períodos.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade