0

Energisa avalia distribuidoras da Eletrobras que serão privatizadas

9 mar 2018
17h22
atualizado às 17h31
  • separator
  • 0
  • comentários

A Energisa , que controla nove distribuidoras de energia no Brasil, avaliou os números das concessionárias de distribuição da Eletrobras que governo e estatal pretendem privatizar em um leilão previsto para maio, segundo documento visto pela Reuters.

Homem perto de linhas de energia conectadas em torres de alta tensão em Brasília, Brasil
31/08/2017
REUTERS/Ueslei Marcelino
Homem perto de linhas de energia conectadas em torres de alta tensão em Brasília, Brasil 31/08/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

A elétrica chegou a participar de uma reunião na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) após "due diligence" nas empresas, para propor possíveis aperfeiçoamentos nas regras que serão definidas para o processo de desestatização.

"A reunião foi solicitada pela Energisa para abordar o tema da privatização das distribuidoras da Eletrobras, bem como levar ao conhecimento da agência pontos importantes constatados na diligência da Energisa nas distribuidoras", afirma um documento da Aneel sobre o encontro, realizado em 21 de fevereiro.

O documento não especifica quais das seis distribuidoras da Eletrobras que devem ser desestatizadas foram analisadas pela Energisa ou se a análise envolveu todas as empresas.

Procurada, a Energisa afirmou que não vai comentar o assunto.

Na reunião com o regulador, a Energisa mostrou preocupação principalmente com possíveis passivos das empresas da Eletrobras, que são fortemente deficitárias e sofrem com investimentos abaixo do necessário em suas redes.

A elétrica pediu que possíveis multas a serem aplicadas às distribuidoras após a privatização, por infrações em períodos em que a gestão era da Eletrobras, não resultem em punições financeiras ao novo controlador.

Os representantes da Energisa também querem que a Aneel reveja as metas de qualidade definidas para as distribuidoras se os novos controladores revisarem os indicadores das empresas e descobrirem que elas tinham um desempenho inferior ao informado anteriormente pela Eletrobras ao regulador.

Entre outros pedidos, a Energisa também quer que a Aneel deixe claro que custos de atividades como levantamentos de campo, recadastramento de ativos e atualização de sistemas serão repassados futuramente às tarifas.

"Considerando que serão necessários grandes investimentos nos três primeiros anos da nova concessão... que no edital de privatização fique clara a possibilidade de reconhecimento tarifário desses custos", afirma.

As distribuidoras da Eletrobras que serão privatizadas operam em Acre, Alagoas, Amazonas, Roraima, Rondônia e Piauí.

A Energisa possui concessões de distribuição em Minas Gerais, Sergipe, Paraíba, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo e Paraná. A empresa também possui ativos de transmissão de energia.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade