PUBLICIDADE

Sem água, agricultores familiares reduzem produção em SP

Crise hídrica deve elevar preços de frutas e vegetais para o consumidor final e gerar desemprego no campo

6 nov 2014 08h00
ver comentários
Publicidade
Segundo o presidente da Federação dos Trabalhadores de Agricultura Familiar do estado de São Paulo, a falta de chuvas deve fazer com que frutas e vegetais fiquem mais caros nos próximos meses
Segundo o presidente da Federação dos Trabalhadores de Agricultura Familiar do estado de São Paulo, a falta de chuvas deve fazer com que frutas e vegetais fiquem mais caros nos próximos meses
Foto: Arquivo FAF/CUT-SP / Divulgação

Enquanto muitos negócios tentam encontrar formas para reduzir o consumo de água devido à falta de chuvas no estado de São Paulo, existem alguns setores da economia que têm pouca margem para se adaptar, como a agricultura familiar. Por isso, alguns lavradores paulistas estão sofrendo para salvar a safra e evitar que a crise hídrica prejudique o abastecimento de alimentos.

Em algumas regiões do estado, como os entornos dos municípios de Bragança Paulista e Itapeva, a falta de água já está afetando a produção, trazendo consequências diretas na oferta de vegetais e frutas como alface, rúcula, morango e tomate, afirma Marco Antonio Augusto Pimentel, presidente da Federação dos Trabalhadores de Agricultura Familiar do estado de São Paulo (FAF-SP). “Estes itens são formados por 90% de água. Se não for oferecido o que eles precisam, vai cair a qualidade e a quantidade da produção, além de gerar mais doenças na lavoura. As consequências disso serão preços mais altos para o consumidor e desemprego no campo”, alerta.

Lava-rápidos inovam para tentar sobreviver à falta de água

Por R$ 50 mil, empresa pode contornar falta de água com poço

Falta de água afeta de boteco a restaurante chique em SP

Tal situação já é uma realidade para Sandro Aparecido Galvão de Oliveira, agricultor da região de Itapeva que cultiva tomate, pepino e pimentão. Suas terras, que são irrigadas por minas de água, estão sofrendo com a falta de vazão da fonte nos últimos meses. Para não perder o que plantou, ele teve de comprar bombas e montar um sistema para captar água em regiões mais distantes, encarecendo a produção em cerca de 30%.

“Na próxima safra vou ter menos dinheiro para investir. Provavelmente terei de plantar 30% a menos. Tenho quatro funcionários, e já estou pensando em ficar com apenas dois até que as coisas normalizem”, explica Oliveira, que vende cerca de 10% da sua produção para a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), 5% para merendas escolares e o restante para grandes redes de supermercado da Grande São Paulo.

Já Claudinei Ferreira, que também trabalha na região de Itapeva e vende a maior parte do que cultiva para o Ceagesp, afirma que perdeu 30% da sua última safra de tomate. “Agora, estou com plantações jovens de pepino e pimentão, e ainda não sei o que vai ser delas. Não temos perspectiva de melhora, a nossa única esperança é que volte a chover”, afirma Ferreira.

Fonte: PrimaPagina
Publicidade
Publicidade