PUBLICIDADE
AO VIVO
'Paris É Delas': expectativas para os jogos crescem e veto da mãe de Rayssa Leal gera debate

Em novas previsões, Fed parece se afastar de ciclo eleitoral

13 jun 2024 - 08h54
Compartilhar
Exibir comentários

O Federal Reserve pode ter acabado de sair dos holofotes da campanha presidencial dos Estados Unidos com um novo conjunto de previsões que mostram que nenhum corte na taxa de juros é provável até depois do dia da eleição.

Na quarta-feira, os formuladores de políticas do banco central norte-americano mantiveram sua taxa de juros de referência inalterada em 5,25% a 5,50%, onde está desde julho passado.

Eles também divulgaram projeções que mostram uma hesitação maior do que antes em relação ao início de reduções nos altos custos de empréstimos que tornaram mais caro para os norte-americanos comprar qualquer coisa a crédito, desde uma máquina de lavar até um carro ou uma casa -- uma dinâmica que contribuiu para a visão persistentemente ruim que os consumidores têm da economia e da gestão do presidente democrata Joe Biden.

Ainda em março, as autoridades do Fed previam que as taxas de juros cairiam 0,75 ponto percentual neste ano, uma perspectiva que significaria cortes a partir do verão (do Hemisfério Norte) e que continuariam até a corrida para a eleição presidencial de 5 de novembro. Isso poderia ter exposto o Fed a críticas de que estaria inclinando a balança no final da disputa entre Biden e o ex-presidente republicano Donald Trump.

Agora, no entanto, em meio a uma inflação mais firme do que o esperado e um mercado de trabalho ainda forte, as autoridades descartaram essa previsão em troca de uma que prevê apenas um único corte de 0,25 ponto percentual neste ano, uma perspectiva que sugere que nenhuma ação é provável antes da última reunião do Fed do ano em dezembro.

Os investidores, por sua vez, não abandonaram totalmente a esperança de um início mais cedo dos cortes, o que manteria o Fed no centro das atenções eleitorais. Os mercados futuros de taxas de juros ainda atribuem uma chance de aproximadamente seis em dez de um corte nas taxas em setembro.

Uma redução na taxa poderia melhorar o humor do consumidor em benefício de Biden, uma perspectiva que Trump já havia começado a visar no início deste ano.

"Acho que (o presidente do Fed, Jerome Powell) fará algo que provavelmente ajudará os democratas, se ele reduzir as taxas de juros", disse Trump no início deste ano em uma entrevista à Fox Business. "Parece-me que ele está tentando baixar as taxas de juros para talvez conseguir eleger pessoas, não sei."

Um adiamento até depois da eleição pode agora ser um obstáculo para Biden, que, segundo as pesquisas, recebe notas baixas por sua gestão da economia, apesar do baixo desemprego quase recorde, da riqueza familiar recorde e do crescimento acima da tendência.

"Obviamente, essa é uma má notícia para a campanha de Joe Biden, que tem tentado desesperadamente convencer os eleitores de que a economia está em boa forma graças à chamada Bidenomics", disse a consultora republicana Jeanette Hoffman.

Questionada sobre a mudança, a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que o governo não tinha comentários: "Sempre fomos muito claros sobre o Fed. Eles são independentes. Não fazemos comentários sobre... o Fed".

A campanha de Trump não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade