1 evento ao vivo

Economia do País tem decepcionado, não há como negar, diz presidente do Bradesco

22 mai 2019
15h28
  • separator
  • comentários

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, manifestou nesta quarta-feira, 22, a insatisfação da classe empresarial com o desempenho fraco da economia brasileira no início deste ano, contrariando as expectativas de um crescimento mais robusto após o fim do período eleitoral.

"A economia do País tem decepcionado, não há como negar isso", afirmou. "A gente estava sentindo uma recuperação (no fim do ano passado), mas parece que, de novo, a situação deu uma esfriada", disse, durante palestra a empresários do mercado imobiliário na sede do Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

Na avaliação do executivo, o Brasil já deveria estar na rota do crescimento, mas as incertezas sobre o andamento de reformas importantes para o País - em especial, a da Previdência - têm atrapalhado a decisão de realização de investimentos por parte do setor privado.

Ele ponderou, entretanto, que as dificuldades de acelerar o crescimento da economia nacional não são novas. Lazari observou que o Brasil tinha um Produto Interno Bruto (PIB) maior que o da China há 40 anos, mas erros na condução da economia doméstica ao longo das últimas décadas restringiram um desenvolvimento mais robusto do País.

"Se o governo não for tocado de maneira pragmática, como tocamos nossas empresas, não vamos conseguir sair do emaranhado em que estamos e em que temos vivido os últimos 40 anos", frisou.

agenda econômica

Lazari avaliou que as oportunidades de crescimento do País virão naturalmente a partir da implementação dos ajustes previstos dentro da agenda do ministro da Economia, Paulo Guedes. "As posições do Paulo Guedes são corretas, não merecem qualquer reparo", apoiou o executivo.

Na avaliação do executivo, a reforma da previdência é o "abre-alas" de todas as outras reformas que precisam ser feitas no País, que devem incluir também a revisão no modelo tributário e a maior abertura comercial do País, defendeu.

Lazari ressaltou que a intervenção no Estado na economia precisa cair. No setor bancário, citou que isso já tem acontecido e apontou que a participação dos bancos privados no mercado de crédito deve superar a participação dos bancos públicos (BNDES, BB e Caixa) no mercado de crédito ainda neste ano.

O presidente do Bradesco elogiou ainda que a inflação está "absolutamente controlada" e que não vê a necessidade de intervenção do Banco Central para aperto na política monetária. "Pelo contrário, a situação (da inflação) permite até redução da Selic neste ano", observou.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade