0

Doria diz que governo de SP vai ajudar Ford a encontrar comprador para fábrica de São Bernardo

Montadora anunciou nesta semana que vai encerrar a operação na unidade; governador quer que trabalhadores sejam empregados pelo futuro comprador do parque fabril

21 fev 2019
14h01
atualizado às 14h51
  • separator
  • 0
  • comentários

O governo do Estado de São Paulo e a Ford se reuniram nesta quinta-feira, 21, para definir a busca de um comprador para a unidade fabril de São Bernardo do Campo, após a decisão da Ford de encerrar a operação na cidade. "Em reunião longa, evidentemente dura, tentamos encontrar soluções viáveis para a Ford seguir produzindo em São Paulo", declarou o governador João Doria (PSDB), em coletiva de imprensa.

Ele informou que as unidades da montadora em Tatuí, Taubaté e o centro administrativo da Ford em São Bernardo permanecerão em operação. "Em relação à fábrica de São Bernardo, com cerca de dois mil funcionários, governo e Ford irão buscar um comprador, de modo a garantir o emprego dos trabalhadores", disse o governador. De acordo com ele, a unidade de Taubaté emprega 1.260 funcionários.

As reuniões com possíveis compradores terão início já na próxima semana, declarou Doria. "O governo ajudará a Ford a encontrar um comprador para o parque fabril de São Bernardo até o fim de 2019", explicou. "A ideia é que os trabalhadores mantenham seus empregos, ainda que outra marca assuma."

Doria negou que haja um esvaziamento da produção de veículos no Estado de São Paulo. A avaliação foi corroborada pelo prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando. "Com exceção da Ford, o setor automotivo tem contratado em São Bernardo e em todo Grande ABC", disse o prefeito.

Ele afirmou que, apesar de a reunião não ter entrado na discussão sobre incentivos fiscais, a prefeitura atendeu a "todos os pleitos da Ford à prefeitura nos últimos dois anos".

Fim das operações causou surpresa

O anúncio de encerramento das atividades da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo pegou o governo de São Paulo e a prefeitura de surpresa. "A decisão não foi comunicada previamente, nem houve qualquer tipo de solicitação", disse Doria. A montadora produz caminhões e o modelo Fiesta na unidade.

Segundo ele, "a decisão da Ford não foi fundamentada em questões fiscais, mas sim em linha com a estratégia global da montadora". "Não há como reverter esta decisão", disse. "A solução é encontrar um comprador que, preferencialmente, possa aproveitar o parque fabril e a ampla experiência dos funcionários lá alocados."

O secretário da Fazenda e Planejamento de São Paulo, Henrique Meirelles afirmou que "o setor está passando por mudanças estruturais em escala global e é preciso entender esta situação".

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que não foi chamado para este primeiro encontro do governo com a Ford, será convidado a participar "em momento oportuno", disse Doria.

De acordo com o prefeito de São Bernardo, o fechamento da fábrica deve provocar um impacto na arrecadação de cerca de R$ 18 milhões. "São R$ 4 milhões de Imposto sobre Serviços (ISS) e outros R$ 14 milhões de Impostos sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS)", explicou.

Para Meirelles, entretanto, este impacto não se confirmará. "Havendo comprador para a fábrica, não haverá qualquer impacto sobre empregos e arrecadação. O Brasil está crescendo e o ambiente é favorável para encontrar interessados", disse o ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade