2 eventos ao vivo

Dólar sobe ante iene com guerra comercial e euro avança com acordo migratório

2 jul 2018
14h42
  • separator
  • comentários

O dólar teve relativa valorização nesta sexta-feira, 29, no mercado internacional, apoiado pelos desdobramentos da guerra comercial. O euro, por sua vez, teve forte valorização, na esteira de acordo migratório entre membros da União Europeia. Na sessão desta sexta-feira, os investidores se mantiveram mais uma vez atentos ao desenrolar do noticiário da guerra comercial. O Canadá divulgou hoje a lista oficial de produtos americanos que estarão sujeitos a tarifas no total de 16,6 bilhões de dólares canadenses em resposta às barreiras impostas pelo governo Trump sobre o aço e o alumínio produzidos em solo canadense. Além disso, o governo prometeu até 2 bilhões de dólares canadenses em assistência financeira às empresas afetadas. Na contramão, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, minimizou os conflitos tarifários do país. Em entrevista, ele disse que o que está em curso é "apenas uma disputa comercial". "Nós temos um objetivo claro, que é um comércio mais justo, e é por isso que estamos lutando", comentou. O secretário classificou como "rumor" a saída dos EUA da Organização Mundial do Comércio, que sobretudo seria "errado e exagerado". O tom apaziguador de Mnuchin deu apoio ao dólar globalmente. Os investidores ponderaram ainda os números do índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês), que teve avanço de 2,3% em maio, ante igual mês do ano passado. A medida de inflação é a favorita dos dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). No final da tarde em Nova York, o dólar passava de 110,54 ienes para 110,76 ienes. No ano, no entanto, a moeda americana acumula perda de 1,8%. O fôlego da divisa dos EUA na sessão foi visto também entre as emergentes. O dólar subia para 19,8744 pesos mexicanos e avançava para 28,9370 pesos argentinos. O México realiza eleições gerais no domingo, nas quais o favorito a vencer a Presidência é Andrés Manuel López Obrador, de esquerda. Os investidores esperam o resultado das legislativas para ponderar se a agenda de reformas dele vai ser implementada ou não. Na Argentina, a forte desvalorização do peso ocorreu mesmo com a venda de US$ 480 milhões no mercado pelo Banco Central da República Argentina (BCRA). Em casas de câmbio, o dólar chegou a subir acima de 30 pesos. Destaque também para a subida generalizada do euro. Pela manhã, os líderes da UE decidiram ajudar os países costeiros, em especial a Itália, a distribuírem parte dos imigrantes resgatados no Mediterrâneo. A moeda comum operava no final da tarde em alta a US$ 1,1677, 129,82 ienes e 0,8850 libra.

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade