1 evento ao vivo

Dólar recua ante rivais com Brexit e sinais do BoE dando força à libra

18 out 2019
18h20
  • separator
  • 0
  • comentários

O dólar recuou ante rivais nesta sexta-feira com o processo do Brexit e as declarações do vice-presidente do Banco da Inglaterra (BoE, pela sigla em inglês), Dave Ramsden, dando força à libra. O euro acompanhou o movimento da moeda britânica. Com isso, o índice DXY, que mede a variação da moeda americana ante uma cesta de seis rivais, encerrou o dia no campo negativo.

Perto do horário de fechamento em Nova York, o dólar baixava a 108,44 ienes, enquanto o euro subia a US$ 1,1166 e a libra avançava a US$ 1,948. Já o índice DXY fechou em queda de 0,40%, aos 97,282 pontos.

O impasse do Brexit segue dando o tom nos mercados internacionais. São grandes as probabilidades de que o Parlamento britânico rejeite, em sessão extraordinária neste sábado, o acordo para o impasse entre o Reino Unido e a União Europeia. Não se sabe, contudo, qual será o próximo capítulo: se o país deixará o bloco sem um entendimento aprovado pelo legislativo, em 31 de outubro, data definida em lei para o divórcio, ou se solicitará uma extensão do prazo para sair da União Europeia.

Ainda assim, o euro e a libra encontraram espaço para avançar ante o dólar. A moeda britânica ampliou os ganhos após Dave Ramsdem sinalizar que a saída do Reino Unido da União Europeia pode significar uma alta na taxa básica de juros do país.

Os ganhos foram contidos, no entanto, pela fala do presidente da França, Emmanuel Macron, de que não apoiaria uma extensão do prazo do Brexit caso o Parlamento britânico rejeite o acordo firmado com o bloco europeu.

Diante do clima de incertezas, o dólar ainda recuou ante o iene e ante o franco suíço, consideradas divisas mais seguras, procuradas em momentos de cautela entre investidores.

De acordo com analistas do Western Union, a fraqueza do dólar ante moedas mais seguras também tem relação com a falta de progressos significativos no impasse da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade