1 evento ao vivo

'Dinheiro serve para fazer mais dinheiro'

Com patrimônio de quase R$ 2 bilhões - e encarando o metrô diariamente -, o paulistano de 80 anos não se preocupa com as oscilações da Bolsa: sua aposta é nas ações que pagam bons dividendos

26 ago 2019
05h11
atualizado em 29/8/2019 às 13h05
  • separator
  • 0
  • comentários

Maior investidor individual do Brasil, o paulistano Luiz Barsi, de 80 anos, encara a linha vermelha do metrô duas vezes por dia, de segunda a sexta-feira. De manhã, sai do Tatuapé, onde mora, até a Estação Anhangabaú, onde trabalha - fazendo o caminho de volta no fim da tarde. Na última sexta-feira, 23, quando atendia o Estado, seu patrimônio na Bolsa beirava os R$ 2 bilhões.

Mesmo assim, estava vestido de calça jeans, sapato social preto de R$ 200 e uma camisa comprada no centro de São Paulo. Com cinco filhos e no terceiro casamento, não usava aliança, "não gosto de joia pendurada". O único adereço era um relógio sem marca, com pulseira de couro preta, ponteiros e marcadores dourados. "Dinheiro não é para gastar, só serve para fazer mais dinheiro", diz.

Apelidado de "Rei da Bolsa", Barsi, que assumiu em maio a presidência do Conselho de Economia do Estado de São Paulo (Corencon-SP), para mandato de dois anos, desenvolveu há 46 anos sua Carteira de Previdência, que consiste em comprar ações que pagam bons dividendos para segurá-las, independentemente de sua cotação. Os dividendos são parte do lucro das empresas distribuído periodicamente aos acionistas. Geralmente, empresas que são boas pagadoras estão em estágio de crescimento avançado, não necessitando de tantos investimentos para financiar sua expansão.

A carteira de Barsi tem 12 empresas, que ele mantém há anos, algumas há mais de três décadas. "Eu não invisto em ações da Bolsa. Eu compro participações em empresas com bons projetos. Gosto de companhias tradicionais e só compro as ações quando os preços estão em queda, nunca em alta." Confira abaixo os principais trechos da entrevista.

Depois de superar o patamar de 100 mil pontos, a Bolsa voltou a cair, influenciada pela guerra comercial. No momento em que conversamos, o Ibovespa está em 97 mil pontos. Como o investidor Luiz Barsi se comporta em momentos de volatilidade como nos últimos dias?

Como se não estivesse acontecendo nada. As pessoas não ganham dinheiro na Bolsa porque ficam preocupados com esses 97 mil pontos, 100 mil pontos. Isso não vale nada. Primeiro porque você não compra o índice, compra as ações. O índice é uma carteira teórica com 64 ações. Se as cinco principais ações subirem e o resto cair, o índice vai dizer que o mercado subiu. Eu nem tomo conhecimento desse índice.

E como toma suas decisões de investimento?

Presto atenção nos projetos das empresas. Hoje tenho 12 papéis em meu portfólio. Ações que eu não vendo. O mais antigo é do Banco do Brasil, que está comigo há 32 anos. Sabe quantos anos tem o Banco do Brasil? Tem 200 anos. O segundo mais antigo é da Klabin. Sabe quantos anos tem a Klabin? Tem 120 anos. Eu sou sócio dessas empresas, que pagam bons dividendos. A Klabin paga bem para mim e garante a vida da família controladora há 50 anos. Circunstancialmente, eu posso ter um ou outro papel, mas que não faz parte da Carteira de Previdência. Muitas vezes aparece uma oportunidade boa de mercado para comprar, vislumbrar uma subida boa, então eu compro para me alavancar e depois vender, injetando mais dinheiro nas minhas 12 empresas.

Como está distribuído seu patrimônio hoje?

Está tudo em ações. Não tenho dinheiro em renda fixa, que no Brasil deveria se chamar 'perda fixa'. Hoje meu dinheiro está em projetos de energia elétrica, celulose e papel, setor financeiro e cloro e soda, com a Unipar. Eu não compro para fazer como a maioria. Você sabe qual é o longo prazo da maioria das pessoas que operam no mercado? Quinze minutos no máximo. Eles não compram ações, compram batata quente. Compram ação e já quer vender. Eu aprendi a administrar a ansiedade. Sempre haverá uma ação, dez ou quinze que estarão em um bom momento, com uma boa oportunidade. O mercado de ação no Brasil não é de risco, mas de oportunidades.

E como reconhecer essa oportunidade?

Quando a empresa mostra para você um bom projeto que ela ainda não conseguiu completar e está em um momento de recuperação.

Por exemplo?

Eu avalio há algum tempo o projeto da Paranapanema, que foi uma empresa canibalizada pelo Partido dos Trabalhadores (PT), como Banco do Brasil, como foi Petrobrás, Eletrobrás. Alguns acionistas, entre os quais Previ, Petros, Caixa, que tinham dinheiro lá, resolveram colocar gestores competentes para recuperar a empresa. Esses gestores fizeram um projeto de recuperação. Eu li esse projeto na sua integridade. Cheguei à conclusão de que era um bom projeto para os próximos quatro anos. Isso aconteceu há três anos. O papel custava R$ 0,80. Hoje custa R$ 40. Na própria Eletrobrás, eu tenho uma boa quantidade de ações. Comprei na época em que a Dilma (Rousseff) emitiu a Medida Provisória 579, quando tentou reduzir o custo da energia elétrica por decreto. Na época, se eu encontrasse a Dilma daria uma beijo nela. Porque a Eletrobrás caiu a R$ 4 e comprei. Hoje ela custa mais de R$ 50. Essa é a oportunidade, porque a Eletrobrás não vai quebrar nunca.

Críticos de sua estratégia dizem que comprar ações pensando em dividendos é uma boa ideia, mas para quem já tem muito dinheiro. O que diz sobre isso?

Eu não tinha dinheiro também no início. Morava em um cortiço no Brás quando era pequeno e fui conquistando tudo o que tenho. Você precisa olhar a Bolsa como um projeto de longo prazo, lá para frente. Quando comecei com isso, comprei 100 ações por centavos, depois mais 200 ações. Comprava todos os meses. Em 10 anos eu já estava aposentado, independente financeiramente, só com o dinheiros que recebia mensalmente dos dividendos. Eu não conheço ninguém que ganhou dinheiro especulando na Bolsa, que ganhou dinheiro comprando opções, que ganhou dinheiro com estratégias de alavancagem.

O senhor diz que ser bilionário no mercado de ações não é tão difícil. Como é isso?

Todo mundo conseguiria o que eu consegui. Tranquilamente. Há 50 anos eu não tinha conhecimento de área. Para você operar no mercado de valores e operar ações, você precisa procurar um profissional correto e comprar. Eu criei três regras para investir no mercado de ações. A primeira é nunca direcionar para o mercado um valor que você tenha direcionado para um gasto qualquer. Você tem R$ 100 mil e daqui a pouco você quer comprar um carro de R$ 40 mil. Invista, então, R$ 60 mil. Segunda regra: nunca compre uma dica. Sempre compre papéis fundamentados em projetos de boas empresas que tenham potencial para crescer. E a terceira regra é nunca vender por necessidade. Na época em que a Telebrás foi desmembrada, criaram-se 12 ou 13 empresas, com valores pequenos de cotação. A gente vislumbrou perspectivas fantásticas de crescimento para essas empresas. Inúmeros investidores compraram dessas empresas. E o mercado subiu muito. Alguns ficaram tão gratificados com isso que começaram a comprar: uma Mercedes, um apartamento no Guarujá. Não compraram à vista, mas à prazo. Chegou um momento que o mercado caiu e eles precisaram honrar esse compromissos. Então, ele não vendeu porque queria, mas por necessidade.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade