PUBLICIDADE

Dexco reajusta preços e garante lucro 52% maior no 3º tri

27 out 2021 20h33
| atualizado em 28/10/2021 às 09h36
ver comentários
Publicidade

A fabricante de paineis de madeira, revestimentos e louças sanitárias Dexco teve menor volume de vendas em suas principais divisões de negócios no terceiro trimestre, mas reajustes de preços impulsionaram seu lucro no período.

Moedas de reais
15/10/2010
REUTERS/Bruno Domingos
Moedas de reais 15/10/2010 REUTERS/Bruno Domingos
Foto: Reuters

A companhia, antes conhecida como Duratex, anunciou nesta quarta-feira lucro recorrente de 267,5 milhões de reais de julho a setembro, aumento de 52,3% sobre um ano antes.

Seu resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente somou 604,1 milhões de reais, aumento de 51,5%. A margem Ebitda subiu 3,3 pontos percentuais, para 27,7%.

A receita líquida da Dexco no trimestre somou 2,18 bilhões de reais, alta de 22,4% sobre mesma etapa de 2020, refletindo sobretudo os reajustes de preços.

Além do resultado operacional, a companhia ainda foi favorecida com um ganho de 79,5 milhões de reais referente à exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins.

A Dexco citou no relatório números do setor imobiliário e das vendas de materiais de construção, que seguiram fortes mesmo diante de um ciclo de aumento dos juros no Brasil.

"A companhia mantém-se otimista com o desempenho de suas operações e perspectiva de demanda futura, em especial daquela decorrente dos novos lançamentos imobiliários, apesar de atenta aos possíveis impactos decorrentes de aumentos da taxa básica de juros e desaceleração da retomada econômica", afirmou a Dexco.

Na noite desta quarta-feira, o Comitê de Política Monetária do Banco Central elevou a taxa básica em 1,5 ponto percentual, para 7,75% ao ano, para o maior nível desde 2017.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade