PUBLICIDADE

Desemprego cai, mas rendimento real tem sua maior queda

Num sinal de condições ainda piores no mercado de trabalho, o rendimento real caiu 4,3%

27 out 2021 09h57
| atualizado às 10h12
ver comentários
Publicidade
Homem mostra carteira de trabalho ao procurar oportunidades de emprego no centro de São Paulo
06/10/2020
REUTERS/Amanda Perobelli
Homem mostra carteira de trabalho ao procurar oportunidades de emprego no centro de São Paulo 06/10/2020 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

A taxa de desemprego no Brasil voltou a cair, indo a 13,2% no trimestre encerrado em agosto, com aumento na população ocupada e no nível de ocupação, mas a informalidade cresceu e o rendimento real sofreu as maiores baixas da série histórica, informou o IBGE nesta quarta-feira, 27.

A taxa de desocupação caiu 1,4 ponto percentual ante o trimestre terminado em maio (14,6%), com queda de 1,3 ponto contra agosto de 2020 (14,4%). A taxa de 13,2% é a mais baixa desde o nível de 12,9% do trimestre encerrado em maio de 2020.

A população desocupada recuou 7,7%, o equivalente a menos 1,1 milhão de pessoas ante o trimestre terminado em maio de 2021, totalizando 13,7 milhões de pessoas. Na comparação anual, o número ficou estável.

Já a população ocupada foi a 90,2 milhões, crescimento de 4,0% --ou mais 3,5 milhões de pessoas-- ante o trimestre móvel encerrado em maio. O nível da ocupação --percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar-- foi estimado em 50,9%, aumento de 2,0 pontos percentuais no trimestre e de 4,1 pontos percentuais no ano.

Houve expansão tanto no número de empregados com carteira assinada (alta de 4,2% sobre o trimestre anterior) quanto sem carteira (+10,1%). Na comparação anual, o emprego sem carteira saltou 23,3%, com mais 2,0 milhões de pessoas no mercado, maiores variações da série histórica em termos percentuais e absolutos.

Com o aumento mais forte no emprego sem carteira, a taxa de informalidade subiu para 41,1% da população ocupada, ou 37,1 milhões de trabalhadores informais, contra 40% no trimestre anterior e 38% um ano antes.

Num sinal de condições ainda piores no mercado de trabalho, o rendimento real habitual sofreu a maior queda percentual da série histórica tanto no comparativo na margem quanto anual. A queda sobre o trimestre anterior foi de 4,3%, enquanto sobre um ano antes o tombo foi de 10,2%, para uma renda média de 2.489 reais. A massa de rendimento real habitual ficou estável em ambas as comparações, a 219,2 bilhões de reais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade