1 evento ao vivo

Declaração de Bolsonaro derruba ações da Eletrobrás

Candidato diz que geração de energia não deve ser vendida; papéis da estatal têm queda de 9,1%

11 out 2018
04h11
atualizado às 07h36
  • separator
  • comentários

O discurso de Bolsonaro vai na direção oposta da cartilha liberal de seu guru econômico, Paulo Guedes, que sempre defendeu a venda das empresas estatais para arrecadar dinheiro para o pagamento da dívida pública e para viabilizar seu projeto de reforma da Previdência.

Na semana passada, em entrevista ao Estado, o general Oswaldo de Jesus Ferreira, também da equipe de Bolsonaro, já havia indicado a intenção de não privatizar empresas consideradas estratégicas, como Petrobrás, Furnas, Caixa e Banco do Brasil. Ferreira, porém, havia confirmado que a Eletrobrás iria para a iniciativa privada.

Jair Bolsonaro chega para votar na Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar, no Rio de Janeiro (RJ)
Jair Bolsonaro chega para votar na Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar, no Rio de Janeiro (RJ)
Foto: Dhavid Normando / Futura Press

Na segunda e na terça-feira, os papéis da empresa avançaram 17,3% e 3,68%, respectivamente, com a possibilidade de a privatização da estatal sair do papel dado o fortalecimento do presidenciável na corrida eleitoral após o primeiro turno.

"Só está surpreso (com a fala de Bolsonaro) quem não fez a lição de casa. Bolsonaro e os que foram eleitos com ele (os parlamentares do PSL) têm visões parecidas: nacionalizantes e contra propostas liberalizantes", disse o economista Marcos Lisboa, presidente da instituição de ensino superior Insper e secretário de Política Econômica no Ministério da Fazenda entre 2003 e 2005.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, também destaca que o candidato tem visão estatizante e critica o fato de o mercado financeiro ter comprado a ideia de que ele mudaria o modo de pensar em apenas um ano. "O mercado acredita no que quer. Mas, por 30 anos, ele teve uma postura estatizante. Não seria convertido da noite para o dia."

Desde o começo da campanha eleitoral, Bolsonaro admitiu não entender de economia e destacava sempre que deixaria o assunto nas mãos de Guedes. Quando o economista sugeriu o retorno da CPMF (imposto sobre movimentação financeira), no entanto, o candidato rapidamente o desautorizou.

Para Vale, diante dessas divergências ideológicas - que estão ficando mais expostas no fim da corrida eleitoral -, a permanência de Paulo Guedes em um eventual governo Bolsonaro deve durar menos de um ano.

Petrobrás

A entrevista de Bolsonaro à Bandeirantes também resultou, na quarta-feira, 10, em uma queda de 3,7% nas ações ordinárias (com direito a voto) da Petrobrás. O candidato declarou que a estatal não pode se "salvar" e "matar a economia", em referência à política de paridade internacional praticada pela estatal, que acompanha internamente os preços praticados nas principais bolsas de negociação de commodities. Essa política foi adotada durante o governo de Michel Temer, na gestão de Pedro Parente no comando da petroleira, e foi uma das desencadeadoras da greve dos caminhoneiros.

Esse novo discurso do candidato do PSL em relação às estatais assemelha-se ao projeto petista, destaca Vale. "Acho que se ele (Bolsonaro) que ser diferente (do PT), precisa sinalizar melhor ao mercado", disse Vale. Lisboa compartilha a mesma opinião: "Muitos aspectos econômicos do discurso (de Bolsonaro) são semelhantes ao do governo do PT pós 2008. Mas um candidato (Bolsonaro) vende pela direita e outro (Fernando Haddad) pela esquerda."

O programa de Haddad afirma que pretende "suspender a política de privatização de empresas estratégicas para o desenvolvimento nacional" e que a política de preços da Petrobrás será "reorientada".

"O mercado brasileiro é aberto a importações e, portanto, não é possível manter os preços domésticos desalinhados dos preços internacionais. No entanto, não é necessário que esses ajustes se façam ao sabor da volatilidade diária, diz o documento" Procurados, economistas do programa do PT não quiseram dar entrevistas.

Relembre

Na tentativa de privatizar a Eletrobrás, o governo Temer contratou o executivo Wilson Ferreira Jr. em 2016 para pôr ordem na casa. Além de programas de demissão voluntária, o presidente da estatal conseguiu reduzir gastos e integrar os centros de custos das empresas do grupo.

Também vendeu participações em usinas e linhas de transmissão e privatizou quatro distribuidoras de energia. Mas a privatização da estatal, por meio da venda de ações, ficou para o próximo governo, que pode definir novos rumos para a empresa. / COLABORARAM RENÉE PEREIRA E FERNANDA NUNES, DO RIO

Veja também

 

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade