3 eventos ao vivo

Cresce número de mais escolarizados que desistem de procurar emprego

Desde 2014, quando o País entrou oficialmente em recessão, o total de trabalhadores mais qualificados - aqueles com pelo menos dez anos de estudo - que abandonaram a busca por uma vaga no mercado passou de 394 mil para 1,66 milhão

3 fev 2019
05h10
  • separator
  • comentários

Desde que o Brasil entrou oficialmente em recessão, em 2014, o desalento - quando o trabalhador desiste de procurar emprego simplesmente por achar que não vai mais conseguir encontrar uma vaga - subiu a pirâmide social. O número de trabalhadores com maior nível de escolaridade que entrou nessa categoria aumentou exponencialmente.

No terceiro trimestre do ano passado, o total de pessoas que estudaram por dez anos ou mais (que é o equivalente a ter ao menos iniciado do o ensino médio) e tinham parado de buscar trabalho era de 1,66 milhão, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua. No terceiro trimestre de 2014, esse número era de 394 mil pessoas.

Isso quer dizer que mais de 1,27 milhão de trabalhadores bem qualificados, em plena idade produtiva, caíram no desalento de 2014 até setembro do ano passado, pelos números da pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), compilados pela consultoria IDados. Em 2012, o primeiro ano da Pnad, os trabalhadores com maior formação eram 26% dos desalentados. Agora, eles já chegam a 35%.

O porcentual de brasileiros mais escolarizados que desistiram de buscar um emprego começou a crescer em 2015 e avançou sete pontos porcentuais em apenas três anos.

Segundo especialistas ouvidos pelo Estado, esse movimento é ruim porque indica que mesmo as pessoas com maior qualificação estão pessimistas com o mercado de trabalho. Um dos motivos para esse desânimo é que, na saída da recessão, as vagas de emprego criadas são, em sua maioria, de baixa remuneração, muitas vezes informais - foi isso que sustentou a pequena queda da taxa de desemprego no ano passado. Puxada exatamente pelo aumento da informalidade, a desocupação caiu de 13,1%, no início do ano, para 11,6%, no fim de dezembro.

Padrão

Além disso, como esses trabalhadores que acumularam anos de estudo tinham salários maiores antes do desemprego, quando o desalento chega a esse grupo, a renda familiar é mais prejudicada, analisa Bruno Ottoni, da IDados. "São pessoas mais qualificadas e com um padrão de vida melhor, que desistiram em algum momento de procurar emprego."

Por estarem em uma situação mais frágil no mercado de trabalho, ganharem menos e estarem mais sujeitos a perder o emprego, os brasileiros com menor formação ainda são a maioria em situação de desalento, mas a presença deles entre os que desanimaram de procurar uma vaga caiu de 73%, no terceiro trimestre de 2014, para 65% no terceiro trimestre do ano passado.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade