0

Família Klein sela controle da Via Varejo; foco deve ser venda online

Após dois anos de tentativas, grupo francês Casino marca para sexta-feira a venda do controle para grupo liderado por Michael Klein; franceses vão arrecadar cerca de R$ 2,2 bilhões ao se desfazerem de fatia de 36% da dona de Casas Bahia e Ponto Frio

12 jun 2019
10h34
atualizado em 14/6/2019 às 19h49
  • separator
  • comentários

A família Klein, fundadora da Casas Bahia, deve sacramentar no pregão de sexta-feira da B3 - a Bolsa paulista - a tomada do controle da Via Varejo, na qual é minoritária do grupo francês Casino, dono do brasileiro Pão de Açúcar. Segundo apurou o Estado, a nova configuração da empresa, arquitetada pelo empresário Michael Klein, com a ajuda do XP Investimentos, vai incluir vários outros fundos. A aquisição das 469 milhões de ações do GPA na Via Varejo deve movimentar pouco mais de R$ 2,2 bilhões.

Ao dividir o peso da aquisição com os fundos, a família Klein deverá ficar como a maior acionista da Via Varejo, com cerca de 40% do capital. Os fundos que entrarão como sócios deverão reter uma fatia, enquanto o "free float" - porcentual negociado em Bolsa - permanecerá como o atual.

O fundo Starboard, que é controlador da Máquina de Vendas, dona da marca Ricardo Eletro, deve ficar fora da operação, apurou o 'Estado'. A ideia do fundo era unir a Via Varejo à sua operação de eletrodomésticos, mas a hipótese foi descartada.

Nesta quarta-feira, o conselho de administração da Via Varejo deu o sinal verde para a operação. Os papéis da Via Varejo fecharam o dia em baixa, aproximando-se do preço acertado com o GPA para a venda na sexta-feira, de R$ 4,75 por ação. O papel da dona das bandeiras Casas Bahia e Ponto Frio fechou em queda de 3,2%, a R$ 4,84. Ou seja: Klein e seus parceiros vão comprar o ativo com deságio.

Para o Casino, a venda à família Klein representa o fim de uma saga que começou há dois anos e concretiza o objetivo da companhia de sair do setor de eletrodomésticos, segmento em que não tem tradição. Após flertar com grupos nacionais e internacionais, sem êxito, o Casino fechou o acordo em um momento em que sua controladora pediu ajuda da Justiça francesa para renegociar débitos.

Vendas pela internet

A mudança de mãos do controle da Via Varejo será apenas o primeiro passo de uma mudança que a empresa luta para implementar: a melhora dos resultados de sua operação online, vista hoje como ponto fundamental para o sucesso de uma rede focada em eletrodomésticos. Neste quesito, além de resolver problemas internos, a companhia ainda terá o desafio de correr atrás de uma concorrente que é considerada um modelo na relação virtual com o cliente: o Magazine Luiza.

Segundo dados do fim do ano passado, a Via Varejo ainda é uma empresa bem maior do que o Magazine Luiza, com receita bruta de mais de R$ 30 bilhões. No entanto, a companhia mostra um resultado líquido inferior ao da rival e está bem distante da performance em vendas pela internet. Enquanto 38% da receita do Magazine Luiza foram originados no meio online, a Via Varejo arrecadou 19% do que vendeu na internet.

Segundo fontes próximas às negociações entre a família Klein e os fundos - que foram lideradas pela XP Investimentos -, a questão das vendas pela internet está sendo tratada como primeiro passo para a recuperação dos resultados da rede. Segundo uma das fontes consultadas, Michael Klein poderia até colocar à disposição imóveis de seu portfólio para melhorar a distribuição do braço online.

Um dos movimentos mais criticados do Casino à frente da dona da Casas Bahia e do Ponto Frio envolveu justamente a separação da operação online - a CNova - das lojas físicas, anunciada em 2014. O objetivo de unir todas as operações globais de e-commerce do grupo Casino atrapalhou o desempenho da Via Varejo por aqui - a estratégia acabou descartada dois anos mais tarde. Nesse ínterim, porém, o Magazine Luiza implantou várias inovações.

O resultado das distintas estratégias das duas varejistas pode ser percebido no valor das ações: o papel da Magazine Luiza valia mais de R$ 200, apesar de ter registrado queda acentuada no pregão de quarta. A Via Varejo tem valor de mercado de R$ 6,3 bilhões, enquanto o da rival supera R$ 38 bilhões.

Para o analista Luiz Gustavo Pereira, da Guide Investimentos, o interesse da família Klein em reassumir o controle da Via Varejo inclui a percepção de que a companhia passa por um momento de recuperação. "A volta da família Klein ao controle e gestão da empresa pode influenciar de forma positiva no negócio. Vemos valor a ser destravado com o negócio", disse.

Na visão de Andrés Estevez, o analista do banco Brasil Plural, o movimento permitirá que o GPA se concentre nas operações de varejo alimentício e na expansão de projetos de digitalização. Já a Via Varejo é vista como um desafio para Klein. "Apesar de agora estar livre da governança do GPA na definição de estratégia, Klein deve ter um grande desafio para fazer a empresa vingar", disse.

Procurado, Michael Klein não comentou.

Relembre

A família que fundou a Casas Bahia chegará à posição de controladora da Via Varejo pouco menos de dez anos após vender 51% do negócio ao Grupo Pão de Açúcar, na época comandado pelo empresário brasileiro Abilio Diniz. Em dezembro de 2009, a empresa foi incorporada à Globex, que já havia adquirido outra gigante do ramo, o Ponto Frio, em junho do mesmo ano.

O Casino, ratificando acordo firmado anteriormente com Diniz, assumiu o controle do GPA e da Via Varejo em 2013, após mais de um ano de disputa societária. /COLABOROU NIVIANE MAGALHÃES

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade