1 evento ao vivo

Confiança do comércio no Brasil sobe em dezembro e vai ao maior patamar desde 2014

27 dez 2017
08h29
  • separator
  • 0
  • comentários

A confiança do comércio no Brasil avançou em dezembro e atingiu o maior nível em três anos e meio, com melhora das expectativas em meio ao cenário de recuperação econômica, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira.

Pessoas passam em frente a loja em rua comercial de São Paulo 04/12/2014 REUTERS/Paulo Whitaker
Pessoas passam em frente a loja em rua comercial de São Paulo 04/12/2014 REUTERS/Paulo Whitaker
Foto: Reuters

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) do Brasil subiu 2,4 ponto em dezembro, indo a 94,8 pontos, máxima desde julho de 2014 (95,8), após a leve queda de 0,1 por cento no mês anterior.

"Entre os fatores que vêm impulsionando o otimismo do setor estão a inflação baixa, o ciclo da redução da taxa de juros, as perspectivas de recuperação do mercado de trabalho e a evolução recente da confiança dos consumidores", disse em nota o coordenador da Sondagem do Comércio da FGV IBRE, Rodolpho Tobler.

O resultado geral foi influenciado pelo Índice de Expectativas (IE-COM), que avançou 4,9 ponto, atingindo 104,8 pontos, o primeiro valor acima dos 100 pontos desde março de 2014 (102,0 pontos).

"A alta do IE-COM sugere que o setor está otimista com relação à sustentação da fase de recuperação das vendas ao longo do primeiro semestre de 2018", afirmou Tobler.

A FGV divulgou ainda que o Índice da Situação Atual (ISA-COM) caiu 0,4 ponto no mês, para 85 pontos, indicando que a recuperação de vendas continua sendo gradual.

A FGV já havia informado que a confiança do consumidor fechou 2017 com o melhor resultado em dois anos, apesar de ter perdido fôlego em dezembro. Já a confiança da construção subiu em dezembro e foi ao maior patamar desde janeiro de 2015.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade