1 evento ao vivo

Brasil melhorou padrões de segurança alimentar, diz ministro

13 mar 2018
16h28
atualizado às 18h16
  • separator
  • comentários

O Brasil melhorou seus padrões de segurança alimentar e está trabalhando com parceiros comerciais para evitar que importadores proíbam produtos de carne do país após o anúncio de uma nova etapa da operação Carne Fraca, no início do mês, disse o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, nesta terça-feira.

Etiqueta em peça de carne bovina em açougue de São Paulo, Brasil
27/07/2017
  REUTERS/Nacho Doce
Etiqueta em peça de carne bovina em açougue de São Paulo, Brasil 27/07/2017 REUTERS/Nacho Doce
Foto: Reuters

A operação denunciou fraudes na fiscalização sanitária de produtos e a omissão da presença da bactéria Salmonella em produtos da BRF, maior exportadora global de carne de frango.

Falando com repórteres nos bastidores do Fórum Mundial Econômico da América Latina em São Paulo, Maggi disse que algumas unidades produtoras poderiam ser banidas por países importadores devido a novas investigações de empresas investigadas na operação.

Na semana passada, o ministério de Maggi suspendeu preventivamente as exportações de fábricas nas cidades de Rio Verde e Mineiros, nos Estado de Goiás, e em Carambeí, no Paraná.

Todas pertencem à BRF, principal alvo da terceira fase da operação.

A suspensão envolve envios a 12 países que pedem controles específicos para a bactéria da Salmonella, incluindo a África do Sul, Coreia do Sul e a União Europeia.

"A Europa é sempre muito crítica do Brasil desde a primeira operação Carne Fraca", disse Maggi. "Temos dito a eles que nossos padrões foram revisados e nossos controles se tornaram mais rígidos."

Quando perguntado sobre se a proibição seria expandida, Maggi disse que há várias linhas da investigação e novas evidências podem vir à tona com os testemunhos dados por pessoas colaborando com as autoridades em acordos de delação.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade