1 evento ao vivo

Bolsonaro não viu projeto para aposentadoria de militares

Presidente está acompanhado em Washington do ministro da Economia, Paulo Guedes, entre outras autoridades do governo

17 mar 2019
16h52
atualizado às 17h09
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo, em publicação no Twitter durante viagem aos Estados Unidos, que ainda não viu a proposta que trata de mudanças nas aposentadorias dos militares, que o governo prometeu enviar ao Congresso no dia 20 de março.

"Informo que ainda não me foi apresentado a versão do projeto de lei que trata da Previdência dos militares. Possíveis benefícios, ou sacrifícios, serão divididos entre todos, sem distinção de postos ou graduações. Vamos valorizar e unir a tropa no ideal de melhor servir à Pátria", disse Bolsonaro, que viajou neste domingo a Washington para uma visita oficial.

 

Com agenda cheia na capital norte-americana, Bolsonaro parte dos Estados Unidos apenas na noite do dia 19, o que deixaria pouco tempo para o presidente analisar o projeto com as mudanças para as aposentadorias dos militares e garantir a entrega da medida ao Congresso na data prometida.

Na sexta-feira, o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse que a proposta de reforma previdenciária das Forças Armadas ainda não estava finalizada, mas garantiu a apresentação ao Congresso em 20 de março, conforme a promessa feita pelo governo em fevereiro. [nL1N2120GH]

Bolsonaro está acompanhado em Washington do ministro da Economia, Paulo Guedes, entre outras autoridades do governo.

Bolsonaro embarca para visita aos EUA e encontro com Trump
Bolsonaro embarca para visita aos EUA e encontro com Trump
Foto: ANSA / Ansa

O envio pelo governo de proposta com alterações na aposentadoria dos militares tem sido apontado por líderes parlamentares como condição para o andamento da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de reforma geral da Previdência, que já foi entregue ao Congresso.

Líderes já anunciaram que só votarão a PEC na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara após o envio do projeto que trata da nova aposentadoria para militares.

A CCJ é responsável pela análise da admissibilidade do texto, antes de encaminhá-la a uma comissão especial, que analisará o mérito da medida. Só então a proposta segue ao plenário, onde precisa de pelo menos 308 votos em dois turnos de votação para ser aprovada e então encaminhada para análise do Senado, onde precisa obter 49 votos em dois turnos de votação para entrar em vigor.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade