PUBLICIDADE

Bolsas de NY fecham em baixa, com temores de recessão em foco

30 jun 2022 - 17h51
Ver comentários

Os mercados acionários de Nova York fecharam em queda, nesta quinta-feira, 30, com investidores novamente atentos aos riscos de recessão mais adiante. Em meio a indicadores dos Estados Unidos, o setor de energia foi mais penalizado entre as ações, em jornada de perdas para o petróleo. No fechamento do primeiro semestre, o quadro negativo ficou evidente: o S&P 500 registrou o pior semestre desde 1970.

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,82%, em 30.775,43 pontos, o S&P 500 recuou 0,88%, a 3.785,38 pontos, e o Nasdaq caiu 1,33%, a 11.028,74 pontos. No semestre, o Dow Jones caiu 15,31%, o S&P 500 recuou 20,58% e o Nasdaq, 29,51%.

Os índices perdiam cerca de 1% já na abertura, com temores sobre recessão em foco. Na agenda de indicadores, os gastos com consumo dos EUA cresceram 0,2% em maio ante abril, abaixo da previsão de avanço de 0,4% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Já o índice de preços de gastos com consumo ( PCE, na sigla em inglês) subiu 0,6% em maio ante abril, com o núcleo em alta mensal de 0,3%, este um pouco abaixo da previsão de avanço de 0,4% dos analistas.

De qualquer modo, a inflação segue muito acima da meta, o que reforça apostas de altas de juros nos Estados Unidos.

Segundo a Pantheon, a partir de dados recentes do consumo no país, entre outros, o Produto Interno Bruto (PIB) americano deve ter recuado 0,5% no segundo trimestre, após queda de 1,6% no primeiro trimestre. Essa sequência de dois trimestres de queda é classificada como recessão técnica por alguns economistas, mas a Pantheon argumenta que o quadro atual ainda não é de recessão nos EUA, diante do mercado de trabalho ainda forte.

Entre setores do S&P 500, energia recuou mais nesta quinta-feira, com papéis ligados ao consumo também pressionados. Tecnologia e serviços de comunicação igualmente caíram, mas o setor industrial exibiu ganho modesto. No setor bancário, Goldman Sachs fechou em queda de 2,06% e JPMorgan, de 2,33%.

Entre as petroleiras, Chevron caiu 1,50% e ExxonMobil, 2,81%. Apple teve baixa de 1,80% e Amazon, de 2,49%, enquanto Boeing cedeu 1,25%.

Na contramão da maioria, Intel subiu 0,32%, IBM teve alta de 0,34% e Procter & Gamble, de 1,12%.

Estadão
Publicidade
Publicidade