1 evento ao vivo

Bolsas de NY fecham em alta, com balanços e avanço político nos EUA

25 jan 2019
19h25
  • separator
  • 0
  • comentários

As bolsas de Nova York registraram sessão positiva nesta sexta-feira, 25, impulsionadas por alguns balanços positivos. Além disso, o governo do presidente americano, Donald Trump, e a oposição democrata chegaram a um acordo para reabrir o governo, ao menos por três semanas, o que colaborou para o bom humor.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,75%, em 24.737,20 pontos, o Nasdaq avançou 1,29%, a 7.164,86 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 0,85%, para 2.664,76 pontos.

O Wall Street Journal reportou que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve manter um portfólio maior de Treasuries que o esperado, o que colaborou para o sentimento do consumidor. Caso a notícia se confirme, isso tende a apoiar a economia americana e os mercados.

Além disso, alguns resultados corporativos têm agradado. Entre as empresas que integram o S&P 500 que haviam divulgado balanços do quarto trimestre até a quinta-feira, 75% superaram as expectativas, segundo a Refinitiv. No fim da tarde de quinta-feira, por exemplo, o Starbucks superou a expectativa dos analistas, o que levou a ação a subir 3,63%. Intel, por outro lado, recuou 5,47%, após advertir para uma desaceleração na demanda por seus produtos em 2019.

As negociações comerciais entre EUA e China seguiram no radar. Na quinta-feira, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, afirmou que o diálogo bilateral "está mostrando progresso". Agora, há expectativa pela reunião com o vice-premiê chinês, Liu He, na próxima semana em Washington.

Na arena política em Washington, Trump anunciou que houve um acordo com a oposição para reabrir o governo até 15 de fevereiro. O presidente insistiu, contudo, que ainda deseja verba para a construção de um muro na fronteira. Segundo Trump, caso não seja liberada a verba, a administração pode enfrentar paralisação parcial de novo em meados de fevereiro. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade