1 evento ao vivo

Bolsas asiáticas fecham em alta, atentas à temporada de balanços dos EUA

13 jul 2020
06h08
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta segunda-feira, retomando o otimismo recente com a recuperação da economia global e à espera da nova temporada de balanços dos EUA, apesar de preocupações com o avanço do coronavírus pelo mundo.

Na China continental, o índice Xangai Composto subiu 1,77%, a 3.443,29 pontos, se recuperando de uma queda na sexta-feira (10) que interrompeu um rali de oito pregões consecutivos de ganhos. O menos abrangente Shenzhen Composto teve desempenho ainda mais expressivo hoje, com alta de 3,48%, a 2.329,40 pontos.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei avançou 2,22% em Tóquio, a 22.784,74 pontos, impulsionado por ações de montadoras e ligadas a eletrônicos, enquanto o sul-coreano Kospi se valorizou 1,67% em Seul, a 2.186,06 pontos, o Hang Seng teve ganho modesto de 0,17% em Hong Kong, a 25.772,12 pontos, e o Taiex registrou alta de 1,14% em Taiwan, a 12.211,56 pontos.

Investidores da região asiática e de outras partes do mundo vão ficar atentos nesta semana à temporada de balanços dos EUA, que amanhã trará informes trimestrais de alguns dos maiores bancos do país. É possível que as empresas americanas surpreendam positivamente, uma vez que indicadores da maior economia do mundo têm superado as expectativas e sugerido uma retomada mais rápida do que se imaginava do violento choque do coronavírus.

A doença, no entanto, não tem dado trégua. Ontem, a Organização Mundial de Saúde (OMS) relatou mais um recorde global de casos confirmados de covid-19 num período de 24 horas, de mais de 230 mil. Os EUA permanecem como o maior foco de preocupação. Apenas a Flórida registrou mais de 15 mil novas infecções, o maior total diário de qualquer estado americano desde o começo da pandemia.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu a Ásia, e o índice S&P/ASX 200 avançou 0,98% em Sydney hoje, a 5.977,50 pontos, também reagindo à disseminação mais lenta do coronavírus no estado de Victoria, no sudeste do país. Com informações da Dow Jones Newswires.

Veja também:

BC corta Selic para 3% ao ano
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade