8 eventos ao vivo

Bolsa sobe 10,8% em janeiro com expectativa por reforma da Previdência

Já o dólar acumulou desvalorização de 5,6% ante o real no mês; percepção de que o governo está empenhado na aprovação de uma reforma da Previdência mais abrangente deixa investidores otimistas

31 jan 2019
12h25
atualizado às 23h25
  • separator
  • 0
  • comentários

As sinalizações do governo Bolsonaro de que deve encaminhar logo ao Congresso a proposta de reforma da Previdência, e que os militares serão incluídos nas mudanças nas regras de aposentadoria, fizeram com que o Ibovespa encerrasse o mês de janeiro com alta de 10,82%.

Além disso, a perspectiva de melhora da economia doméstica e, consequentemente, dos balanços das empresas, levou às compras na Bolsa. Nesta quinta-feira, o índice chegou a superar os inéditos 98 mil pontos durante o pregão, mas acabou com valorização de 0,41%, aos 97.393,74 pontos, apoiado sobretudo nos ganhos das ações de bancos.

No mercado cambial, o dólar à vista encerrou em queda de 0,99% ante o real, cotado a R$ 3,6590 - menor valor desde 26 de outubro -, acumulando desvalorização de 5,59% em janeiro.

"Não fosse a Vale em queda, a Bolsa poderia estar mais perto dos 100 mil pontos", ressaltou Victor Martins, analista de Investimentos da Planner Corretora. Entre as blue chips, ações de grandes empresas, com boa reputação e alta liquidez, o Bradesco PN fechou em alta de 5,65%, Banco do Brasil ON, 2,53%, Itaú Unibanco PN, 1,73% e as units do Santander,0,15%. Vale ON recuou 2,36% e Petrobras PN cedeu 0,16%

Em Nova York, os índices operavam sem direção única, com o Nasdaq avançando mais de 1%, ajudado pelo balanço do Facebook, mas com o Dow Jones em baixa, reagindo ao índice de atividade industrial de Chicago, que atingiu mínima em dois anos. O dado fraco reacendeu dúvidas sobre a economia global, o que fortaleceu o dólar ante outras moedas fortes.

A postura mais cautelosa do Federal Reserve na quarta-feira, indicando que poderá interromper os aumentos graduais de juros nos EUA, continuou estimulando o apetite ao risco, favorecendo divisas emergentes, como o real.

Nesse ambiente, o risco-país brasileiro caiu nesta quinta-feira para o seu menor nível desde março do ano passado e os juros futuros tiveram recuo significativo em toda a curva, com os investidores de olho, nos EUA, nos dados de emprego de janeiro, e, no Brasil, na eleição para as presidências da Câmara e do Senado, que ocorre nesta sexta-feira.

Para o economista-chefe da Legacy Capital, Pedro Jobim, o mais provável é que o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) seja reeleito presidente da Câmara nesta sexta-feira, com apoio mínimo da esquerda, o que reforça a visão de que a reforma da Previdência vai avançar. Maia já deu declarações de apoio a agenda de reformas.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade