PUBLICIDADE

Para alavancar app, Magalu aposta em 'cashback do milhão'

Empresa vai dar prêmios no 'Domingão com Huck'; para receber o dinheiro, participante terá de abrir conta no aplicativo

2 set 2021 18h26
| atualizado às 19h38
ver comentários
Publicidade

O Magazine Luiza lança no próximo domingo uma campanha chamada "Cashback do Milhão". A empresa - que já era anunciante do programa das tardes de domingo da Globo sob o comando do apresentador Fausto Silva - busca agora se reposicionar nesse horário com a entrada de Luciano Huck. A empresa vai usar o quadro "Quem Quer Ser um Milionário" para anunciar sorteios com prêmios de R$ 100 mil a R$ 1 milhão, todos pagos em "cashback", ou "dinheiro de volta". A estratégia é levar tráfego ao app do Magalu, pois o ganhador vai receber o prêmio por uma conta na plataforma.

Desde quando o sonho de ser milionário por meio de um programa de TV começou no Brasil, ainda com o "Show do Milhão", em 2000, do apresentador Silvio Santos, no SBT, o número mágico compra bem menos. Para o Magazine Luiza, sem contar o investimento em mídia, a ação custará, em prêmios, R$ 2,1 milhões. "Dinheiro de troco" para quem tem no caixa cerca de R$ 10 bilhões, considerando a última oferta subsequente de ações (follow-on) da companhia.

Luciano Huck em campanha do Magazine Luiza. 
Luciano Huck em campanha do Magazine Luiza.
Foto: Reprodução/Magazine Luiza / Estadão

Para concorrer ao sorteio, basta comprar um produto em qualquer canal da empresa, no período entre 5 de setembro e 30 de novembro - período que inclui a Black Friday. Cada item comprado pelos clientes gera um número. Todos os prêmios serão creditados na conta digital Magalupay, que é vinculada automaticamente ao CPF de quem faz a compra.

A campanha "Cashback do Milhão Magalu" faz parte da estratégia de expansão do braço financeiro do grupo. Em julho, a companhia recebeu autorização do Banco Central para incorporar a Hub Fintech, comprada em dezembro de 2020. Desde então, pode atuar como instituição financeira.

Aquisição de clientes

O diretor marketing da empresa, Bernardo Cupertino Leão, diz que o consumidor já entende o termo "cashback" como um desconto. Segundo Leão, atrair o consumidor para o app diminui o Custo de Aquisição de Clientes (CAC). Isso porque, ali, a comunicação com o consumidor é mais barata.

Além disso, ao receber o desconto em dinheiro para gastar nas lojas, ou até mesmo para pagar contas e transferir para algum outro banco, o cliente acessa mais vezes a plataforma - o que também interessa para a empresa. Essa recorrência proporciona a troca de dados e mais chances de oferecer produtos e ofertas sem gastar com publicidade.

Estadão
Publicidade
Publicidade